Amepi Itinerante em Rio Piracicaba marca início da Implantação do Sim Regional

Presidente reúne prefeitos do Médio Rio Piracicaba para dar os primeiros passos na execução de um projeto que vem promover a agroindústria regional

Presidente reúne prefeitos do Médio Rio Piracicaba para dar os primeiros passos na execução de um projeto que vem promover a agroindústria regional

Cumprindo as etapas do cronograma de ações para implantação do Sim Regional, na manhã de hoje (14), o Presidente da Amepi, Leris Braga, promoveu um encontro de trabalho junto aos prefeitos da Associação, na cidade de Rio Piracicaba. Encontro que cumpre a agenda de reuniões da Amepi Itinerante, já presente também nas cidades de Santa Maria de Itabira e Bela Vista de Minas.

A primeira etapa do processo de implantação do Sim foi cumprida no mês passado, dia 28 de junho, para estabelecimento das diretrizes do plano de ação do Presidente junto ao consultor Leandro Moyano, prestador do serviço contratado pela Amepi. Na sequência, foi realizado um diagnóstico de todas as cidades que firmaram o protocolo inicial para fazer a adesão do serviço de inspeção.

Em mais uma etapa cumprida o consultor apresentou um breve passo a passo de como será conduzido o processo, assim como as primeiras ações já realizadas e datas previstas para seguimento das demais etapas do cronograma.

De acordo com o Presidente, para o projeto acontecer, é preciso enxergar que “nós temos um dever dentro da prefeitura. Cada município precisa ter o Sim municipal. Vejam isto como investimento. Embora possa representar um dispêndio financeiro na implantação, vocês vão observar também que, numa perspectiva futura, é geração de emprego e renda; é geração de riqueza pra região. Esta ação é uma perspectiva de política pública”.

Ele ainda acrescenta que “são inúmeras as atividades. Pra isso é preciso um nível de comprometimento para cumprir os prazos. Senão, não alcançaremos o resultado que a gente precisa para construir as políticas públicas.” Nesse contexto de comprometimento, o Presidente ainda reforça que “só vai existir uma reunião da Amepi quando puder ser apresentado um resultado de trabalho, como o de hoje, por exemplo”.

Dentro da agenda de trabalho do dia também ficou estabelecido que até cinco de agosto é preciso ter disponibilizado espaço e profissional da prefeitura responsável para condução do processo, considerando o atendimento do empresário dentro do próprio município.

Dentro dessa vertente de atuação municipal, o projeto, que pode se tornar autossustentável no futuro, já registra seus primeiros passos. Sete municípios já enviaram as primeiras agroindústrias que estão solicitando o Serviço de Inspeção e já estão aptos a recebê-lo.

A orientação dada no encontro, em especial para quem já cumpriu as primeiras diretrizes, é que seja encaminhado um projeto de Lei à Câmara para criação de um departamento de agricultura, estabelecendo uma função gratificada para o Coordenador do Sim, sendo este, de preferência, membro da vigilância sanitária. O modelo do projeto de lei poderá ser padronizado, disponibilizado pelo próprio Consórcio.

No que tange ao custo do projeto, o consultor alega que “depende do diagnóstico que está sendo feito. Depende do número de agroindústrias”. Para Moyano, “nesse momento queremos apenas oficializar esse agricultor”. O dimensionamento da equipe será estabelecido nesse contexto, após identificação dessa quantidade de agroindústrias em cada localidade. “Inicialmente não haverá uma despesa direta porque a Amepi está abraçando essa introdução do Sim”, reafirma Moyano. Segundo ele, “para fazer o rateio, será preciso saber, por exemplo, quantos abatedouros há na região do Consórcio.”

Os produtores inseridos no contexto do Sim terão autorização para circulação em âmbito regional. Para as agroindústrias que não se interessarem, as mesmas não poderão inserir no contexto do varejo, mantendo sua venda apenas na localidade de produção.

A proposta de implantação do Sim, que vem fortalecer a agroindústria regional, tem por objetivo montar a equipe de condução do projeto para que seja viável a implantação do Serviço de Inspeção Municipal em cada cidade consorciada.  A maior parte do trabalho de inspeção, correspondente a 80%, é relacionada à higiene dos locais de produção.

Para a realização deste trabalho, segundo o Presidente, a Amepi vai arcar com toda a estrutura inicial. “Já está publicada a licitação de um veículo que será comprado para fazer as inspeções. Como infraestrutura de apoio vamos ajudar nessa condição de trabalho”, acrescenta ele.

Agradecendo e pedindo o apoio e a participação das câmaras legislativas, o presidente encerrou a reunião anunciando a adesão de novos municípios ao projeto e a próxima agenda do Amepi Itinerante prevista para a cidade de Nova União.

 

Julho 2017

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here