Comunidade de Rio Piracicaba se mobiliza contra barragem da Vale na cidade

Barragem do Diego, em Rio Piracicaba

Após o rompimento da barragem I na Mina do Feijão, em Brumadinho, os moradores da cidade de Rio Piracicaba temem que a tragédia ambiental se repita no município. Nesta quinta-feira, a partir das oito horas da manhã, a comunidade se mobiliza em uma passeata.

O movimento tem como finalidade buscar esclarecimentos e a posição da empresa Vale sobre soluções viáveis para amenizar possíveis danos caso a Barragem do Diogo venha a se romper. A passeata tem dois pontos de saída. Um da praça Maria do Rosário Caldeira, no centro da cidade e outro da igreja do bairro Bicas. O ponto de encontro é portaria da Vale, que fica no bairro Louis Ensch.

Rio Piracicaba possui três barragens, a maior delas é a do Diogo. O risco de rompimento é baixo, mas o potencial de dano é alto segundo a Agencia Nacional de Mineração. Em resposta ao movimento dos mortadores, a Vale apontou que pós o rompimento da barragem I na Mina do Feijão, em Brumadinho, foram realizadas imediatamente inspeções em todas as barragens da empresa. Segundo a vale, elas se encontram em absoluta normalidade e são acompanhadas de perto.

Quanto a barragem do Diego,a Vale alegou que ela possui Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração o PAEBM, conforme estabelece a legislação brasileira. A empresa alegou ainda que compreende os anseios da comunidade e todos os questionamentos que têm surgido. Diante disso, a mineradora informou que tem buscado manter informada toda a população, especialmente com relação ao Plano de Ação.

Em Rio Piracicaba, a Vale em parceria com a Defesa Civil do município tem feito reuniões constantes com a comunidade com objetivo de informar quais são os procedimentos que devem ser adotados em situação de emergência, evacuação, rota de fuga e pontos de encontro. As reuniões são destinadas as pessoas que moram ou têm estabelecimentos nas áreas denominadas zona de autossalvamento, ou seja, aquelas consideradas prioritárias em uma ocorrência real.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui