Campanha do PJ #ComoVejoMinhaCidade tem primeiros posts

Fotos sobre violência contra a mulher começam a ser publicadas em fanpage e já podem ser curtidas

Açao coletiva do PJ da cidade de João Pinheiro

Foi dada a largada para a mobilização por curtidas nas fotos da campanha #ComoVejoMinhaCidade, que integra a partir deste ano o calendário oficial do Parlamento Jovem de Minas (PJ Minas). Com o prazo de envio das imagens encerrado no último dia 26, as fotos, sobre o tema violência contra a mulher, começaram a ser postadas na fanpage estadual do PJ Minas nesta segunda (2/7/18).

O objetivo agora é chegar às 10 fotos mais curtidas até as 18 horas do dia 3 de agosto. Para isso, é chegado o momento de curtir e compartilhar as imagens, uma por município, acompanhada de texto, marcando os amigos para que façam o mesmo na medida em que os posts forem sendo disponibilizados na fanpage estadual do PJ Minas.

O trabalho de postagem está sendo feito pela equipe de mídias digitais da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), seguindo a ordem de encaminhamento das imagens, e será concluído nesta sexta (6).

Para chegar ao ranking das 10 fotos, serão contabilizadas não somente as reações “curtir” e “amei”, mas também “uau”, “triste” e “grr”, tendo em vista que o tema abordado pelo PJ Minas este ano é a violência contra a mulher.

As 10 mais curtidas estarão num álbum especial no Facebook e no Instagram da ALMG e ainda serão mostradas numa exposição durante a etapa estadual do Parlamento Jovem de Minas, em Belo Horizonte, na ALMG.

E seus autores também vão receber, em casa, o livro “Diálogo com o Tempo – 170 anos do Legislativo Mineiro”, da historiadora Maria Auxiliadora de Faria e do cientista político Otávio Dulci.

Crescimento 

Em sua 15ª edição, o PJ Minas é realizado pela Assembleia em parceria com câmaras municipais. Tem como objetivo a formação política e cidadã de estudantes dos ensinos médio e superior, que a cada ano trabalham com um tema escolhido na plenária final do ano anterior.

Este ano participam do projeto 82 municípios, dos quais 23 são novatos, agrupados em 16 polos regionais. No ano passado, foram 63 municípios participantes, sendo 21 deles estreantes, organizados em 12 polos.

Primeiros posts têm trabalhos coletivos e individuais

Atualmente no calendário oficial, a campanha #ComoVejoMinhaCidade estreou no PJ Minas em 2015, sendo uma das formas de mobilizar os estudantes para o tema em foco, durante a etapa municipal do projeto.

Este ano, os estudantes puderam mostrar em imagens um problema ligado à violência contra a mulher ou um ponto positivo em seu município, se valendo de trabalhos individuais ou coletivos.

Na série de posts iniciada nesta segunda (2), estão imagens como a de Divinópolis (Centro-Oeste de Minas), em que um mesmo casal surge em duas situações distintas, uma cena romântica registrada nas redes sociais pelo celular e um momento de agressão do parceiro na vida real. O intuito é mostrar que nem tudo é o que parece ser.

Na sequência, João Pinheiro (Noroeste de Minas) contribui com uma foto coletiva, em que alunos do Parlamento Jovem, vestidos de branco em alusão à paz, se uniram a autoridades locais na porta da delegacia da cidade, simbolizando a luta pelo fim da violência.

Em outro exemplo dessas primeiras postagens, Bonfinópolis (também no Noroeste de Minas) surge com uma imagem sugestiva da “violência mascarada” contra uma mulher para qual apontam-se vários dedos. Um problema, que, segundo o texto do estudante Gabriel de Matos, ainda atinge mulheres na maioria das cidades interioranas na forma de fofocas e pré-julgamentos.

Dicas 

E para que ideias como essas fossem extravasadas, a fanpage estadual do PJ Minas também trouxe contribuições. Ainda em maio, foram postados diversos vídeos com dicas e orientações para a preparação do material, desde a escolha do local a cuidados na hora de tirar a foto obtendo o melhor enquadramento ou a luminosidade pretendida.

E antes da saírem a campo para produzir as imagens, os estudantes também passaram por reflexões e estudos sobre o tema geral do projeto e debates sobre os três subtemas: violência doméstica e familiar; violência nos espaços institucionais de poder; e violência e assédio sexual.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui