Concessionária de energia lança novo edital para compra de energia alternativa

A Cemig abriu inscrições para o edital para compra de energia alternativa, em leilão que acontecerá em 4 de outubro por até 20 anos. Podem se inscrever empreendedores que queiram negociar a produção futura de usinas eólicas e solares, incluindo empreendimentos habilitados nos leilões de venda de energia nova promovidos pelo Ministério de Minas e Energia (MME) em 2018.

Em junho passado, o primeiro leilão do país, feito pela empresa nos moldes dos promovidos pelo governo federal para compra de novas usinas, superou as expectativas: foram quase 200 empreendimentos inscritos e um total de 431 megawatts médios (MWméd) de energia contratados, com início em janeiro de 2022 e término no final de 2041.

De acordo com o superintendente de Compra e Venda de Energia no Atacado da Cemig, Marcos Aurélio Alvarenga Pimentel Júnior, a compra da produção dessas usinas renováveis para revenda aos clientes é interessante para a companhia, que não precisa fazer investimentos em novos projetos de geração de energia visando manter a liderança no mercado de energia incentivada.

“Com a redução de seu parque gerador, a Cemig passou a atuar muito intensamente na compra de energia de outros agentes, ampliando seu portfólio de contratos de compra. Ao mesmo tempo, manteve forte a sua atuação na ponta de venda, não só mantendo os compromissos assumidos anteriormente, mas ainda ampliando sua participação nesse mercado”, comenta.

Para esse certame, os interessados devem ter habilitados tecnicamente seus projetos junto à Empresa de Pesquisa Energética (EPE) neste ano ou cumprir exigências mínimas, como ser um gerador com ao menos 1 gigawatt (GW) em capacidade instalada ou um agente com capital social mínimo de R$ 500 milhões.

Marcos Aurélio Pimentel Júnior destaca ainda que a Cemig está sempre estudando e avaliando situações para garantir a liderança da companhia no mercado livre de energia.

Ineditismo

Leilão inédito da Cemig, em junho deste ano, no mercado livre, semelhante aos promovidos pelo governo federal para novos projetos de geração, atraiu a atenção do mercado e recebeu mais de 5 GW em projetos cadastrados, quase 200 empreendimentos.

Para a mitigação do risco de falha ou atraso no desenvolvimento desses empreendimentos, foi decidido que apenas empreendimentos habilitados nos leilões de venda de energia nova promovidos pelo Ministério de Minas e Energia (MME) em 2018 poderiam participar.

Assim, os empreendimentos que não tiveram sucesso nos leilões do MME em 2018, mas que passaram pelo processo de habilitação, foram elegíveis para participar, reduzindo o risco de sua não implantação em função da seleção já realizada pelo ministério.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui