Com o objetivo de desafogar o Sistema Único de Saúde (SUS), José Roberto disse que irá tomar uma medida a fim de dinamizar o atendimento aos pacientes que procuram o hospital

Na tarde dessa terça-feira, 7, o provedor do Hospital Margarida, José Roberto Fernandes, participou de uma reunião na Câmara Municipal. A solicitação foi feita pelo vereador Belmar Diniz (PT) durante sua fala na tribuna na reunião ordinária do dia 18 de maio. Além de Belmar, participaram do encontro os vereadores Fabrício Lopes (PMDB), Thiago Titó (PDT), Vanderlei Miranda (PR), Leles Pontes (PRB), Sinval Dias (PSDB) e o presidente da Casa, Djalma Bastos (PSD). Também esteve presente a assessora jurídica do hospital, Racíbia Alves de Moura.

O objetivo da reunião foi conhecer melhor o atual provedor da casa de saúde e obter mais informações sobre a situação real do Hospital Margarida. Na oportunidade, José Roberto disse como encontrou a casa de saúde em abril passado, período em que assumiu a direção do hospital, e o que tem feito desde então para melhorar a situação do Margarida. “Quando assumi o hospital, a situação era caótica. Médicos confrontando a diretoria, funcionários insatisfeitos, comunidade insatisfeita, todos descontentes. Percebi que faltava diálogo e que era preciso tomar uma atitude com relação a isso tendo em vista que a situação poderia piorar”, explicou o provedor.

Segundo José Roberto, ao assumir o hospital, a dívida da casa de saúde era de aproximadamente R$2,360 milhões. Já o déficit mensal gira em torno de R$500 mil. Atualmente, a dívida total do Margarida é de cerca de R$12 milhões. Contudo, o valor não está devidamente apurado por haver débito em negociação. Além disso, a dívida do hospital com fornecedores é de R$520.533,53. Outros R$44.944,84 estão em protesto e a dívida relativa ao custeio dos médicos é de R$525.320,00. “Já estamos buscando alternativas para quitar toda a dívida do hospital e melhorar a situação da casa de saúde. Esse é o nosso compromisso”, declarou José Roberto.

Com o objetivo de desafogar o Sistema Único de Saúde (SUS), José Roberto disse que irá tomar uma medida a fim de dinamizar o atendimento aos pacientes que procuram o hospital. A atual entrada do Pronto Socorro será utilizada apenas para atendimentos do SUS. Já os atendimentos referentes aos planos de saúde serão realizados na antiga portaria do Pronto Socorro, localizada na lateral do prédio do hospital. “Nossa intenção é melhorar o atendimento. Sabemos que a maioria das pessoas atendidas pelo SUS vão direto ao hospital ao invés de procurar o posto de saúde mais próximo para casos mais simples como gripe. Isso acaba provocando uma demora no atendimento e gerando um desgaste aos funcionários, médicos e comunidade”, afirmou.

Contudo, ele disse que, no momento, o hospital não tem condições de fazer nenhum investimento com o objetivo de melhorar a estrutura de atendimento aos planos de saúde. “Apesar de a antiga portaria ter sido fechada, a infraestrutura que temos lá é capaz de atender bem aos pacientes de convênios. Além disso, estamos negociando com as operadoras de planos de saúde para que as mesmas possam pagar mais do que pagam hoje visando cobrir a estrutura deficitária atual”, comentou o provedor. Um corpo clínico será disponibilizado para atendimento aos pacientes dos planos.

Por fim, José Roberto salientou que sua atuação à frente do hospital terá o diálogo como prioridade. “Desde quando assumi o hospital, em momento algum quis impor algo. Sempre busquei o diálogo como a melhor solução para os problemas enfrentados por nós. Por isso, vou mantendo essa postura a fim de se evitar qualquer desgaste maior entre diretoria, médicos, funcionários e comunidade. Estou aberto a ouvir quem quer que seja”, ponderou.

Os vereadores presentes à reunião declararam apoio ao hospital e se colocaram à disposição para ajudar no que for necessário. Para os parlamentares, o Hospital Margarida é uma entidade de extrema importância para João Monlevade e região e, por isso, merece total atenção diante da atual situação em que se encontra.

Convênio com a Cemig

Na última semana, o hospital firmou convênio com a Cemig para que as pessoas que quiserem ajudar o Margarida façam doações por meio da conta de energia elétrica. Os interessados devem procurar a direção do hospital para que possam assinar o termo de adesão. Segundo José Roberto, o recurso oriundo das doações pela conta de luz será destinado à aquisição de medicamentos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui