As voltas que a vida dá
É muito interessante como não sabemos o dia de amanhã. Pode ser que aqui estejamos, pode ser que não. Pode ser que estejamos ricos, pode ser que estejamos miseráveis. Já ouvi muito um ditado que diz que “o tempo é o senhor da razão”. A sabedoria popular não falha.

Anúncios
Continue lendo após o anúncio

Na escola
O professor notou que o aluno, chateado, não dava a mínima para as aulas. O rendimento do rapaz, que sempre fora bom, caiu bastante. Inclinado a descobrir o que acontecia, o docente resolveu chamar o garoto para uma conversa. O problema vinha do medo que ele tinha de revelar sua sexualidade aos pais, amigos e família. O professor não pode fazer nada além de dizer a ele que tudo ficaria bem. Levaria tempo, mas ficaria. O interessante dessa história é que o pai do aluno que acabara de se “descobrir” homossexual era o maior perseguidor de gays e lésbicas quando adolescente na mesma escola onde o professor junto dele estudara.

No hospital
O gerente de um hospital que passa por crises intermináveis não entende porque a população não se mobiliza para ajudar com doações na conta de água ou de luz. Um dia, resolveu ele mesmo ligar aleatoriamente para um número qualquer. Perguntou e a negativa veio logo. Não resistiu e quis saber o porquê. A resposta veio curta e grossa do outro lado da linha: “Minha mãe chegou ao hospital de madrugada passando mal e não foi atendida. A enfermeira me confidenciou que o médico dormia e pediu para não ser incomodado”. O gerente lamentou e disse esperar que mulher estivesse bem. Mas era tarde. Ela morreu momentos depois da negativa do atendimento.

Na festa
Numa festa anual de uma empresa, um convidado, ex-funcionário, compareceu com a esposa. Sentaram-se junto de um dos trabalhadores mais antigos da organização. O ex-colega disse sentir falta do amigo e quis saber se um dia ele gostaria de voltar a trabalhar lá. A resposta veio da esposa que esconjurou: “Deus me livre! Faço de tudo, mas não o deixo voltar a trabalhar lá. É muita exploração”. O assunto mudou na hora. Anos depois, a empresa tinha um novo administrador: era o ex-funcionário que não voltaria a por os pés ali. Pelo jeito, a esposa não fez muita coisa.

Breno Eustáquio é jornalista e professor

Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui