Campanha de combate ao Aedes aegypti é antecipada; Monlevade tem quase 2.400 casos

O Ministério da Saúde antecipou o lançamento da campanha de combate ao Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, chikungunya e zika. A inciativa ocorre devido ao grande números de casos das doenças no país. A intenção é que haja uma mobilização maior ainda no período de seca. Há também a preocupação com a possibilidade de maior circulação do chamado sorotipo 2 da dengue.

O vírus da dengue apresenta quatro sorotipos, em geral, denominados DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. Segundo o Ministério da Saúde, os sorotipos 1 e 4 predominaram nos últimos anos. As pessoas que entraram em contato com algum desses tipos tornam-se imunes a eles. Como o sorotipo 2 não circula no Brasil há algum tempo, mais pessoas podem ficar doentes. Além disso, podem aumentar os casos mais graves, de dengue hemorrágica.

Em João Monlevade, segundo o último boletim da Secretaria de Estado de Saúde, há cerca de 2.400 casos prováveis de dengue e cinco de zika. Todos os casos suspeitos de chikungunya foram descartados.

A coordenadora da Vigilância em Saúde (Visa), Viviane Ambrósio Passos, pontou que no mês de agosto foram notificados 10 casos de suspeitos de dengue. Em relação aos últimos meses, o índice diminuiu, já que em junho foram 688 casos suspeitos e em julho.

“Temos que ficar atentos nos próximos dias devido ao período de chuva. Com as altas temperaturas e o acúmulo de água podemos vivenciar uma nova epidemia. Por isso, solicitamos a população a contribuir com a eliminação dos focos de dengue não acumulando entulhos, realizando limpeza nos quintais e principalmente atendendo às visitas dos agentes de endemias”, ressaltou Viviane.

A coordenadora falou também que é preciso auxiliar a visita dos agentes de endemias às residências. “A vistoria realizada pelos agentes de endemias não deve ser apenas realizada na parte externa dos prédios, eles precisam vistoriar os apartamentos. Todos os agentes de endemias andam uniformizados e a partir do mês que vem andaram também com um crachá de identificação. Os donos de lotes e casa fechadas deve ter atenção com os imóveis, pois nesses locais são encontrados muitos focos de dengue”, disse.

Ainda conforme informações de Viviane, atualmente os bairros Loanda, Palmares, Teresópolis, José Elói, Mangabeira, Vale do Sol, Rosário, Industrial e Monlevade Centro recebem as visitas e orientações dos agentes.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui