O veículo fechou a pista por cerca de 01h até ser retirada com auxílio de um guincho

Uma carreta carregada com ferragens deixou o trânsito complicado por volta das 17h dessa segunda-feira (24), em João Monlevade, em pleno horário de pico.

O caminhoneiro manobrava, de ré, o veículo para entrar no galpão de uma empresa que fica na saída da trincheira na Avenida Wilson Alvarenga, onde iria descarregar uma carga de vergalhões.

Sem o auxilio de um fiscal do Setor de Trânsito da Prefeitura (Settran) ou um policial militar, para auxiliar na manobra a trânsito ficou completamente parado no sentido ao Bairro Carneirinhos, o que acarretou em engarrafamento enorme por mais de uma hora.

A situação se complicou ainda mais quando uma das rodas dianteiras da carreta afundou em uma calçada e o veículo ficou atravessado, ocupando toda a via.

Para retirar o veículo do local foi utilizado um guincho e os motoristas para não ficarem presos no trânsito passaram a utilizar acessos pelos bairros Satélite e José de Alencar.

Muitos passageiros que estavam dentro dos ônibus coletivos, voltando do trabalho, preferiram continuar o trajeto a pé.

Com o auxílio de um guincho o veículo foi removido do local

Tempo depois chegou ao local uma equipe da Polícia Militar e funcionários do Settran, que não foram acionados antes.

Cenas como esta é cada vez mais comum em João Monlevade, uma vez que no município não há uma lei para impedir que carretas e caminhões entrem na área central da cidade, como acontece em algumas cidades da região.

Chefe do Settran justifica

O chefe do Setor de Trânsito e Transporte da Prefeitura de João Monlevade (Settran), Breno Lima, justificou que no momento em que a carreta travou o trânsito, apenas dois fiscais estavam de serviço. Os agentes, segundo o responsável pela pasta, estavam nas imediações da avenida Gentil Bicalho e da rua Joana D´Árc, no bairro República e imediatamente deslocaram para a avenida Wilson Alvarenga.

“Assim que fui comunicado, os agentes desceram imediatamente, mas o caos já estava formado”, pontuou. Breno disse que as carretas precisam entrar na cidade, mas o que precisa melhorar é a comunicação e a regulamentação para a ação. “O que tem que ser feito é uma regulamentação com horário permitido para tal operação, bem como, programar com o Settran de forma antecipada”, disse.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui