Cemig esclarece atuação da empresa em Monlevade

O encontro foi solicitado pelo vereador Gentil Bicalho (PT) e contou com a presença da maioria dos parlamentares (maria Thereza Bicalho Acom/CMJM)

Em reunião realizada na última quinta-feira, 6, na Câmara Municipal, o agente de comercialização da Cemig, Eluyr Dias Silva, esclareceu aos vereadores a atuação da empresa em João Monlevade após a criação do Consórcio Intermunicipal Multissetorial do Médio Piracicaba (Consmepi). O encontro foi solicitado pelo vereador Gentil Bicalho (PT) e contou com a presença dos parlamentares Lelê do Fraga, Cláudio Cebolinha (ambos do PTB), Revetrie da Saúde (PMDB), Vanderlei Miranda (PR), Belmar Diniz (PT), Sinval Dias (PSDB), Tonhão (PPS) e do presidente da Casa, Djalma Bastos (PSD). As assessoras dos vereadores Fábio da Prohetel (PP) e Pastor Carlinhos (PMDB) também participaram da reunião, assim como o líder de negócios da Cemig em Ipatinga, Riwardeny Nunes Talin.

Na oportunidade, Eluyr explicou que a agência da Cemig em Monlevade é responsável por 18 municípios na região. Além disso, o agente de comercialização da empresa disse que a comunicação da Cemig com o cliente melhorou muito nos últimos anos. “São vários os canais de atendimento que a empresa oferece ao cidadão como o Cemig Atende e o 116. Esses canais facilitam muito o contato do consumidor com a Cemig e agilizam o atendimento”, destacou.

Segundo Eluyr, a Cemig era a responsável pela manutenção na rede de iluminação pública em Monlevade até 2015. A partir de então, os ativos de iluminação foram transferidos aos municípios atendendo a uma determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). “No caso de João Monlevade, a Prefeitura se tornou a responsável pela manutenção do serviço através da criação de um consórcio formado por 11 municípios, o Consmepi. O consórcio é responsável apenas pelos serviços de manutenção da rede de iluminação pública como troca de lâmpadas, mas nada impede que os serviços sejam ampliados“, salientou Eluyr.

Quanto à utilização de lâmpadas de LED a fim de economizar energia, conforme questionou o vereador Belmar Diniz, Eluyr disse que as lâmpadas de LED ainda não possuem certificação pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). “A utilização das lâmpadas de LED é uma tendência por ser mais econômica e permitir o controle da luminosidade. Na região, a cidade de Ipatinga já está adotando o uso de lâmpadas de LED. Outras cidades como São Paulo e Rio de Janeiro também já utilizam esse método”, comentou.

Sobre a aparente insuficiência na iluminação em alguns pontos da cidade, Eluyr esclareceu que isso ocorre em função da potência da lâmpada. Segundo ele, alguns bairros e ruas de Monlevade parecem ser mais escuros apesar de possuírem postes suficientes. Quanto a isso, é necessário verificar a intensidade ou potência da lâmpada utilizada no local. “Esse serviço é de responsabilidade da Prefeitura. É ela quem irá avaliar quais os locais necessitam uma iluminação mais forte”, declarou.

Outro ponto discutido foi com relação aos usuários inadimplentes. O questionamento foi apresentado pelo vereador Tonhão. De acordo com Eluyr, a Cemig oferece ao cliente que possui contas em atraso alternativas a fim de negociar a dívida. Para isso, o consumidor deve procurar a central de relacionamento da Cemig no município para negociar o débito. “Conseguimos negociar apenas dívidas superiores a um salário mínimo. Iremos avaliar a situação de cada cliente e propor a ele as melhores condições para quitar a dívida”, explicou.

Ao fim da reunião, o presidente Djalma Bastos questionou a Cemig sobre problemas enfrentados por municípios da região em relação à prestação de serviço por empresas terceirizadas. Eluyr disse que as últimas prestadoras de serviço deixaram a desejar. Contudo, a exemplo de qualquer empresa pública, a Cemig deve cumprir o que exige a lei de licitações. “As duas últimas terceirizadas nos trouxeram muitos problemas. Chegamos até a pensar no encerramento do contrato, mas estávamos presos por conta da licitação. A Cemig teve um grande prejuízo, pois terá que arcar com as despesas e os passivos deixados pelas empresas terceirizadas”, lamentou.

Por fim, Eluyr Dias afirmou que a nova empresa terceirizada pela Cemig apresentou ter mais qualidade e capacidade para prestar os serviços. Segundo ele, a empresa, que é sediada no Ceará, está fazendo um grande investimento em infraestrutura, treinamentos e compra de equipamentos para atender exclusivamente à Cemig.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui