Cerca de 1,8 milhão ainda não se vacinaram contra a febre amarela em Minas

A vacinação é a maneira mais eficaz e segura de prevenir a doença e a meta do Ministério da saúde é chegar a uma cobertura 95% da população

Com a chegada das chuvas e aumento das temperaturas, as medidas de prevenção contra a febre amarela se tornam ainda mais importantes, pois, apesar das ações de imunização serem mantidas durante todo o ano, o período de maior probabilidade de ocorrência de casos da doença em Minas acontecem entre os meses de dezembro e maio.

Desde o início das notificações dos casos suspeitos de febre amarela silvestre que ocorreram no Estado, no final de 2016, foram adotadas diversas ações, entre elas a realização da vacinação casa a casa, nas regiões mais afetadas, na tentativa de atingir a população não vacinada. Essa e outras estratégias, realizadas pelo Estado e municípios, elevaram a cobertura vacinal acumulada geral de 57,5%, no período de 2007 a 2016, para 90,7%, atualmente. Na última temporada de monitoramento da doença, entre 2017 e 2018, foram 527 casos confirmados, sendo que 178 evoluíram para óbito

Crédito: Gil LeonardiMesmo com a cobertura acima de 90%, em Minas Gerais, a coordenadora estadual de Imunização, Eva Lidia Arcoverde Medeiros, reforça a importância da população se vacinar e proteger contra a doença, porque ainda há uma estimativa de 1.836.028 pessoas não vacinadas.

 

Atualmente, a cobertura vacinal acumulada de febre amarela em Minas Gerais está em torno de 90,75%.

Febre Amarela

A Febre Amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos vetores e possui dois ciclos de transmissão: silvestre (quando há transmissão em área rural ou de floresta) e urbano. Em áreas de mata, os principais vetores são os mosquitos Haemagogus e Sabethes. O vírus é transmitido pela picada dos mosquitos transmissores infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui