Construção de passagens de fauna nas obras de duplicação da BR-381, visam garantir a segurança dos animais

    Galerias localizadas embaixo do pavimento garantem a migração de espécies nativas da Mata Atlântica e do Cerrado

    O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), além da construção de equipamentos de travessia segura para pedestres, as equipes montaram espaços para que animais silvestres possam cruzar o fluxo de veículos com segurança, ao longo da BR-381.

    As passagens de fauna, galerias construídas debaixo do pavimento, garantem a migração de espécies nativas da Mata Atlântica e do Cerrado, presentes na região da rodovia federal.

    São 62 estruturas projetadas para o lote 3.1, localizado no acesso a MG-320 até Ribeirão Prainha, e também no lote 7, entre Itabuna a Caeté.

    Outras 41 estruturas estão distribuídas pelos 28,6 quilômetros do lote 3.1 e 21 pontos de travessias estão projetadas para os 37,8 quilômetros do lote 7. Elas são divididas em passagens inferiores, sob as pistas construídas, em Obras de Arte Especiais (OAEs) – como pontes e viadutos – e aéreas. Essas últimas ainda não foram construídas em nenhum dos trechos.

    Além das galerias, as passagens de fauna também recebem a instalação de cercas condutoras, responsáveis por orientar os bichos a seguir para as galerias. Cada espaço construído garante que os animais silvestres que vivem nas matas próximas da rodovia federal tenham como cruzar o fluxo de veículos em segurança, mantendo o equilíbrio ecológico e minimizando o impacto ambiental trazidos pelas obras.

    Animais como o veado-catingueiro, graxaim, gato-do-mato, irara, lontra, quati, pomba-galega, saracura-do-mato, entre outros, já usam as galerias para seguir de um lado ao outro das pistas.

    Estudos  

    O local de construção das passagens de fauna seguiu estudos prévios para identificar onde ocorreram o maior número de atropelamentos de animais silvestres, isso antes das obras de construção de pistas e das OAEs começarem. Essas campanhas são mantidas desde o início das obras e, até o fim de 2019, foram realizadas cerca de 40 ações desse tipo.

    O trabalho de acompanhamento da eficácia das passagens de fauna é feito pelo DNIT, responsável pelas obras de duplicação na BR-381/MG. A implantação das passagens para animais segue as orientações do Programas de Monitoramentos de Fauna, contido no Plano de Controle Ambiental (PCA) do empreendimento.

    Publicidade

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Digite seu comentário!
    Digite seu nome aqui