Curso Técnico em Química é extinto pela Secretaria de Educação de João Monlevade

Curso Técnico em Química funcionou por mais de 25 anos em João Monlevade

O curso Técnico em Química, criado há mais de 25 anos em João Monlevade, foi extinto pela Secretaria de Educação do município. A justificativa, segundo o secretário de Educação, Teotino Damasceno Filho, é a falta de demanda para o curso. Ainda de acordo com o secretário, no final de 2016, o curso de Química foi encerrado com 11 alunos.

“O ensino básico tem prioridade sobre o ensino profissionalizante, o qual é obrigação do Estado. O Município deve focar com prioridade no que é obrigação do Município, como os Anos Iniciais e a Educação Infantil”, justificou o secretário.

O curso profissionalizante de Química formou mais de 2 mil alunos e o fechamento da qualificação profissionalizante foi destaque entre os assuntos levantados pelos vereadores da Câmara Municipal de João Monlevade, na última quarta-feira (8). O petista Belmar Diniz foi quem comentou o assunto. Ele lembrou os esforços das administrações passadas em manter em funcionamento o curso e lamentou a situação.

O curso de Química, que funcionou há anos na sede da Escola Municipal Israel Pinheiro (EMIP), chegou a ter 90 alunos. Na administração passada, devido a impasse em relação ao uso do laboratório da unidade em parceria com a Ufop, o ex-prefeito, Teófilo Torres (PSDB), fechou acordo com a UEMG e uma laboratório na  universidade foi criado para os alunos de Química. Uma sala na unidade também foi cedida para que os estudantes tivessem aula no local.

Com o fechamento do curso, os professores que lecionam na qualificação profissional foram remanejados para o ensino fundamental da rede municipal.

Publicidade

2 COMENTÁRIOS

  1. Um absurdo acabar com uma história de muito sucesso simplesmente pelo fato de existir pessoas incapazes de administrar o básico de um curso profissionalizante. Lamento por todos que não terão a oportunidade que tive. Hoje eu sou e vivo por causa do técnico em química. A justificativa do fechamento não é convincente. Precisam ser mais criativos.

  2. 11 alunos? Vejo que o secretário de Educação não verificou na Secretaria da EMIP quantos alunos formaram e quando eles desistiram e por quê. Não tinham laboratório e sabemos que um curso técnico de química sem laboratório não é muito atrativo. O outro é, quantos alunos desta turma que formaram entram no Mercado de Trabalho e estão gerando impostos para a cidade, além de quantos aumentaram a Expectativa de Mudanças. A questão SOCIAL pouco importa para estes que as oportunidades sempre batem a sua porta, os outros comem …

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui