Delegados esclarecem assassinato de mototaxista em João Monlevade

O delegado responsável pela 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil de João Monlevade (4ª DRPC), Paulo Tavares, reuniu sua equipe e apresentou o resultado das investigações que apontaram os motivos e autores do homicídio que vitimou o mototaxista Flaviano Marques de Assis (foto). O homem foi morto no dia 25 de janeiro, em frente ao seu local de trabalho, em João Monlevade.
Os detalhes do caso foram repassados em coletiva com a imprensa na tarde desta quarta-feira (4).
Os delegados Alex Dalton de Souza e Camila Alves Batista comandaram os trabalhos investigativos. Conforme eles, denúncias anônimas repassadas à Polícia Militar foram fundamentais para se chegar aos autores do crime.
Delegado apresentaram resultado de investigações (Bell Silva)

O caso tem motivação passional, já que Flaviano teve um relacionamento com a  atual companheira do mandante da sua morte. Com a mulher, o mototaxista teve dois filhos. O casal estava separado a cerca de oito meses.

Flaviano foi morto com um tiro no peito, de uma arma calibre 32, disparado por um rapaz de 18 anos. O autor foi preso no dia do crime e, segundo os delegados, possui extensa ficha criminal. O executor teria dado ainda outros dois tiros. O primeiro acertou o chão.

A participação da ex-mulher de Flaviano no caso ainda é investigada. Apurações iniciais da Polícia Civil apontam que, em tese, ela sabia do planejamento do crime e que o homicídio poderia ocorrer. Os delegados aguardam laudos da criminalística para anexar ao processo.

O mandante do crime também está preso. Ele tentou se esconder no distrito de Conceição de Piracicaba, mas acabou detido depois das diligências policiais.

As investigações duraram cerca de 30 dias. No decorrer do período, os investigadores cumpriram quatro mandatos mandados de busca e apreensão. Nessas ações, objetivos encontrados foram relacionados ao homicídio. Também foi realizada a reconstituição da morte de Flaviano.  O inquérito policial foi remetido à Justiça na semana passada.

A coletiva teve a presença do delegado regional, Paulo Tavares, da delegada adjunta, Camila Batista Alves, dos delegados Alex Dalton e Monique Bicalho, e ainda, do investigador Eliel Martins Campos.

Leia também:

João Monlevade: mãe sabia que filha era estuprada pelo irmão; mulher foi indiciada

Polícia Civil conclui inquéritos de estupros de vulneráveis e homicídio em João Monlevade

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui