Preso na Operação Saqueador, Carlinhos Cachoeira deixou a penitenciária de Bangu 8
Arquivo/Fernando Frazão/Agência Brasil

Preso na Operação Saqueador, Carlinhos Cachoeira deixou a penitenciária de Bangu 8


O dono da construtora Delta, Fernando Cavendish, e o bicheiro Carlinhos Cachoeira deixaram na madrugada desta segunda-feira (11) o presídio Pedrolino Werling de Oliveira, conhecido como Bangu 8, na zona oeste do Rio de Janeiro. Com ele, também foram liberados os empresários Adir Assad, Cláudio Abreu e Marcelo Abbud.

Os cinco foram detidos na Operação Saqueador, acusados de lavagem de dinheiro que teria sido desviado de contratos de obras públicas da construtora Delta. Devido à falta de tornozeleiras eletrônicas no Estado, os réus vão cumprir prisão domiciliar e serão monitorados pro homens da Polícia Federal.

A soltura foi determinada pela desembargadora Nizete Lobato, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, depois que o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) concedeu prisão docimiciar aos réus, na última sexta-feira (8).  A Procuradoria-Geral da República (PGR) declarou que vai pedir que o STJ reveja a decisão. 

LEIA MAIS: Desdobramentos da Lava Jato, 8 operações investigam corrupção no País

A defesa de Carlinhos Cachoeira informou que, apesar de liberados, os reús não podem sair do Rio de Janeiro até que seja julgado o pedido de habeas corpus, o que deve acontecer até a próxima quarta-feira (13). 

Dono da construtora Delta, Fernando Cavendish é principal alvo da Operação Saqueador
Ed Ferreira / Estadão Conteúdo

Dono da construtora Delta, Fernando Cavendish é principal alvo da Operação Saqueador


Entenda o caso

A Operação Saqueador foi deflagrada pela Polícia Federal no último dia 30 e tem como objetivo apurar lavagem de R$ 370 milhões que teriam sido desviados pela empresa Delta ? de Fernando Cavendish ? de contratos em obras públicas. Os principais alvos eram o dono da construtora e o contraventor Carlinhos Cachoeira. 

Cachoeira chegou a ser preso em 2012 na Operação Monte Carlo, acusado liderar uma quadrilha de jogos de azar em Goiás e no Distrito Federal. A ação desmontou o esquema, que mantinha contato e teria se beneficiado da relação com autoridades como o ex-senador Demóstenes Torres, que chegou a ser cassado devido ao seu envolvimento com o grupo. Alvo de diversos processos criminais, o contraventou já foi condenado a mais de 39 anos de prisão. 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui