Durante coletiva delegados afirmam: “assassinato do sargento Célio foi premeditado”

Os delegados, Paulo Tavares e Camila Alves, concederam uma coletiva na tarde desta quarta-feira.

O delegado regional, da 4ª Delegacia Regional da Polícia Civil, Paulo Tavares Neto e a delegada adjunta Camila Batista Alves, convocaram uma coletiva com a imprensa no final da tarde desta quarta-feira (9) onde falaram sobre as investigações em andamento, sobre o assassinato do sargento Célio Ferreira, da Polícia Militar, ocorrido durante uma operação policial no Bairro São João no último dia 27.

Segundo o delegado regional, o assassinato do militar foi premeditado.

A coletiva foi convocada após a prisão de mais um suspeito envolvido no crime, o proprietário da casa onde o crime ocorreu.

Conforme os delegados, as investigações apontaram que o homem atraiu os policiais à sua casa, com a informação de que seu filho estaria sendo ameaçado de morte. Após acionar os policiais, o proprietário do imóvel comunicou aos traficantes sobre a ida dos militares, além de apontar o cômodo da casa onde eles aguardavam a chegada dos mesmos. “Tanto foi premeditado que o filho que ele disse estar sendo ameaçado, na verdade estava junto dos dois presos pelo assassinato. Ele observou o crime à distância”, informou a delegada.

Durante as investigações foi constatado que o crime foi planejado contra a instituição Polícia Militar, não especificamente contra o sargento Célio. Independentemente dele, qualquer outro poderia ter sido vítima do homicídio naquele momento. “Qualquer militar que saísse primeiro, seria morto. Célio foi quem saiu. Os dois responsáveis viram que o sargento estava com colete e o cano da arma dele. O autor dos disparos chegou com arma em punho. A vítima não disparou nenhum tiro”, informou a delegada.

Ainda segundo os delegados, durante a reconstituição do crime, realizada na semana passada e com a participação dos dois presos, verificou-se ainda que o autor dos disparos foi realmente o rapaz detido, de 18 anos. Na ocasião ele estava acompanhado do outro homem,  de 20 anos, também detido no dia do crime.

Segundo as investigações o militar foi atingido por dois disparos. No primeiro ele caiu de joelhos e foi novamente baleado com o tiro fatal, na altura do olho esquerdo.

Local onde o militar foi executado pelos criminosos. Arquivo/O Popular

Quem deu as ordens para execução

Segundo Paulo Tavares, no dia do crime, o traficante chefe da “Gangue do Lucas”, que comanda o tráfico no bairro São João, foi preso. Na ocasião ele negou qualquer participação no caso. Ainda de acordo com o delegado, já se sabe que foi ordenado o crime contra a PM e que o autor dos disparos era o “braço direito dele”,  por isso executou o assassinato. “Mas há ainda muito a ser feito. Investigamos ainda se há algum mandante de fora”, disse ele.

Paulo Tavares disse também que o dono da casa, que atraiu os militares, tem dois filhos menores, sendo um usuário de drogas e outro traficante. Ele disse à Polícia Civil que estava bêbado no dia do crime, e muitas vezes caiu em contradições. “O senhor preso alega que bebeu no dia do assassinato, de 17h às 21h”. Ele foi apontado no dia do crime como sendo a “peça chave” para elucidar o caso. Ainda durante a manhã de hoje, outros mandados foram cumpridos.

Ao final da coletiva os delegados pediram para que a população ajude na solução de crimes na cidade.  “Isso é inerente à cidadania. Não podemos permitir que o crime se organize” destacou o delegado.

A delegada Camila Alves, agradeceu o empenho dos militares, que mesmo abalados, vêm auxiliando nos trabalhos. A delegada ainda deu um recado aos criminosos da cidade. “Quem deseja continuar nessa prática e acredita que ficará impune, deixamos claro aqui a união das instituições de segurança no combate ao crime”, finalizou a delegada.

 

1 COMENTÁRIO

  1. […] Na semana passada, em entrevista coletiva, o delegado Paulo Tavares havia adiantado que o assassinato do sargento Célio Ferreira foi minuciosamente planejado por traficantes do bairro São João. O autor dos disparos obedeceu ao chefe da “Gangue do Lucas”. A intenção deles era matar um policial militar. Como o sargento Célio foi quem atendeu a uma suposta denúncia de ameaça, ele foi o alvo escolhido pelo bando. Clique aqui e leia mais. […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui