Eleições no Brasil serão as mais incertas desde os anos 80

TSE confirma 27.213 candidaturas, 4% a mais que em 2014

O Banco Mundial fez um relatório e entregou cópias dele a todos os candidatos à presidência da República, semana passada. O documento pode ser encontrado na página na internet. O título do estudo é: “Por um Ajuste Justo com crescimento compartilhado: uma agenda para o Brasil”.

Segundo o Banco Mundial, três são os desafios principais a serem enfrentados pelo próximo governo: o primeiro é o grande desequilíbrio fiscal, ou o rombo nas contas públicas; o segundo é a falta de crescimento sustentado da produtividade, o que coloca em risco futuros aumentos na renda per capita dos brasileiros; e o terceiro desafio é a dificuldade do Estado brasileiro em oferecer serviços públicos básicos à população.

O relatório do Banco Mundial reconhece que estas eleições serão “provavelmente, as mais incertas depois da volta do país à Democracia, em meados dos anos oitenta”.

O diagnóstico do Banco Mundial reconhece a existência de “uma grande proporção de eleitores indecisos, um leque amplo de candidatos e as taxas significativas de rejeição dos nomes principais, refletem um panorama fragmentado e a ausência de consenso sobre um projeto para o Brasil.

O trabalho não é uma ação nova do banco em relação ao Brasil, mas é um estudo bem elaborado sobre nossas dificuldades, ainda que tenha sido realizado a mais de três meses antes do primeiro turno eleitoral, o que indica que muitos cenários ainda poderão ser alterados até lá.

Wallace Landin, conhecido como Chorão, um dos líderes do movimento passado, pediu “entendimento” e “sabedoria” aos caminhoneiros. Ele negou até mesmo a promessa de uma nova paralisação anunciada pela União dos Caminhoneiros (UDC) para depois do feriado. “Não cai nessa não, UDC, essas coisas tudo aí, nós nunca ouvimos falar disso não”, afirmou.

Segundo o caminhoneiro, estão querendo usar a categoria para uma nova paralisação. “Fico muito preocupado de saber que tem gente infiltrada no nosso meio querendo chamar uma paralisação, fico muito triste porque nós lutamos, ficamos 11 dias na beira das estradas e conseguimos a lei, e quero deixar claro não existe paralisação para o dia 7 de setembro”, disse.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui