A conta de luz de 805 municípios mineiros atendidos pela Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) fica mais cara a partir desta terça-feira (28).

O aumento de 6,93% para consumidores residenciais foi aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) no último dia 21.

De acordo com a Aneel, o reajuste tarifário autorizado à Cemig ocorre para compensar os custos da empresa com a compra de energia. Ainda segundo a agência, a recomposição de todas as empresas distribuidoras do país é sempre feita anualmente.

Segundo a Cemig, a empresa teve uma despesa adicional de R$ 1,5 bilhão para comprar energia das termelétricas de junho do ano passado até fevereiro deste ano. A explicação seria a escassez de chuvas no período. O reajuste, afirmou a Cemig, é “para garantir o fornecimento aos clientes mineiros”.

Do valor cobrado na tarifa, 22% ficam na Cemig e se destinam a remunerar o investimento, cobrir a depreciação dos ativos e outros custos da empresa. Os demais 78% são utilizados para cobrir encargos setoriais (13%), tributos (30%), energia comprada (29%) e encargos de transmissão (6%).

Bandeiras tarifárias

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou também um reajuste nos valores da bandeira tarifária amarela e da bandeira vermelha, nos patamares 1 e 2.

A bandeira amarela passou de R$1 para R$1,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Já a bandeira vermelha patamar 1 passou de R$3 para R$4 e a bandeira vermelha patamar 2 subiu de R$5 para R$6 por 100 kWh consumidos.

A bandeira que vai vigorar no mês de junho ainda será definida no dia 31 de maio. Estes novos valores vão depender desta definição.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui