Escritos do Rapha: Ele se apaixonou por um sorriso

                                                  *Por Raphael Godoy

                                                             Ele se apaixonou por um sorriso

Enquanto deslizava o dedo despretensiosamente nas redes sociais, ele deu de cara com aquele sorriso. A boca ficou seca, as pupilas dilataram, o coração acelerou, as mãos suaram frio.

De impulso, veio uma poesia, talvez a mais sincera que ele já escreveu em muito tempo. Para sua surpresa, a resposta veio também em verso. Pronto, mesmo com a triste notícia que aquele sorriso escondia um coração partido, ele viu que sua poesia se parecia com a poesia dela, e que a forma de ver o mundo o aproximavam. Conversaram, se aproximaram, trocaram ideias, experiencias, sobretudo falavam sobre jardins e tempos de esperas.

Seu coração se agitava a cada notificação e as conversas venciam o cansaço do dia de trabalho e o passar das horas.

Ele queria encontrá-la, mas o momento não era o melhor. Enquanto sonhava com os próximos passos, ela, por precaução e cuidado, pediu mais espaço. Entristecido, ele entendeu e entendeu também que tempos de espera não se resumem a alguns dias.
Desta forma, ela acendeu nele a necessidade e vontade de também cuidar do seu jardim. E assim foi fazendo.

Dias depois, sem tanto contato, ela contou a ele que deixaria seu coração aos cuidados de quem o havia quebrado. Deste dia em diante, seu coração ficou em um eterno conflito. Se alegrava, mesmo distante, e se contentava mesmo que descontente a cada vez que via aquele sorriso novamente.

Procurou outras rimas em outros sorrisos, mas nada fluía com a mesma naturalidade.
Uma pequena ansiedade o tocava, queria notícias, queria retomar o ritmo de conversas e silêncios. O autoengano não perdoa, e ele ainda pensava em como ele era visto e sentido aos olhos dela. Mais ansiedade.

Para passar o tempo e desviar sua atenção do que não podia viver, decidiu então apenas cuidar do seu jardim. Na esperança de um dia poder recebê-la plantou uma semente e que mesmo sem brotar ainda cuida todo dia.

Ao contrário do que possa parecer, isto não o magoa, no o deixa ansioso. Ele descobriu o prazer na espera, no cuidado com cada detalhe daquele jardim. E se um dia, ela resolver entrar, tudo estará pronto pra que ela deseje ficar. Mas, se ela escolher outro jardim para morar, ele ainda terá um belo jardim para aproveitar e por isto, ele decidiu esperar. Só esperar.

Gostou? Siga o meu instagramhttps://www.instagram.com/escritos.do.rapha/

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui