Gasolina e diesel ficam mais baratos a partir de hoje

Petrobras muda política e gasolina deve custar menos R$ 0,05 por litro

A mudança na operacionalização desse serviço este ano foi determinada pela prefeita Simone Carvalho Moreira, para melhorar a gestão e controlar os gastos de forma mais eficiente

A partir do primeiro minuto deste sábado, os preços da gasolina e do diesel estarão 3,2% e 2,7%, respectivamente, mais baratos na porta das refinarias de todo o país. A decisão foi anunciada pela Petrobras que mudou a política de preços para os derivados que vigorava há cerca de uma década. Com a diminuição de preços, nos postos de gasolina o diesel deverá cair em média 1,8% e a gasolina 1,4%, em ambos os casos uma queda de R$ 0,05 por litro.

A nova política terá como base os preços da commodities praticados no mercado internacional e avaliações mensais para reajustes ou não dos preços dos combustíveis para cima ou para baixo, dependendo da oscilação do preço dos produtos no mercado global.

Anúncios
Continue lendo após o anúncio

Para pôr em prática essa nova política, a Petrobras criou o Grupo Executivo de Mercado e Preços, que, já em sua primeira reunião, decidiu pela redução hoje anunciada. Segundo a assessoria da Petrobras, essa é a primeira vez que a redução de preços dos derivados ocorre desde junho de 2009, quando o diesel caiu 15% e a gasolina, 4,5%.

 

Nova política

A decisão anunciada pela diretoria da Petrobras é uma mudança na política de preços, adotada na última década.

Na gestão do ex-presidente Sérgio Gabrielli, diante da alta do preço do barril no mercado e dos questionamentos sobre se haveria ou não aumento do preço dos derivados no mercado interno, o ex-presidente da Petrobras era enfático: “A nossa política é não repassar para os preços dos derivados no mercado interno a volatilidade (oscilação) do petróleo no mercado externo, mas sim manter uma curva de médio prazo que mantenha os nossos ganhos na ponta”.

Era uma política onde a convergência aos preços internacionais se dava no médio e no longo prazo, os reajustes não tinham periodicidade definida e se davam em nível decisório no âmbito da diretoria executiva da companhia.

A partir de agora, as decisões serão tomadas no âmbito do Grupo Executivo de Mercado de Preços (presidente, mais diretoria de Refino e Gás natural, mais diretoria Financeira e de Relações com Investidores); terão como referência as variações do preço dos derivados no mercado internacional; e Relatório Externo de avaliação 60 dias após o término de cada trimestre.

Em nota, a Petrobras diz: “como o valor desses combustíveis acompanhará a tendência do mercado internacional, poderá haver manutenção, redução ou aumento nos preços praticados nas refinarias a cada mês”.

Independência em relação ao governo

Na entrevista, o presidente da Petrobras, Pedro Parente, abordou a questão da independência em relação ao governo. “A orientação expressa que foi dada é que a Petrobras tem que se recuperar, tem que virar o jogo de todos os problemas por que ela passou e, para que isto ocorra, ela precisa contar com todos os instrumentos que são próprios de uma empresa. E assim tem sido feito”.

Sobre a questão da reação do mercado e da possibilidade de que a nova política venha a atrair investimentos, a Petrobras admitiu que essa também é uma das premissas da mudança da política, principalmente porque ela dá maior tranquilidade aos investidores ao definir regras claras e garantias de retorno do capital investido.

Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui