João Monlevade tem primeiro caso de leishmaniose visceral humana

A leishmaniose visceral é uma doença grave que acomete pessoas e animais como o cachorro e é transmitida pela picada de um inseto conhecido como mosquito palha

João Monlevade registra o primeiro caso do ano de 2018 de leishmaniose visceral em humanos. O paciente, um homem de 62 anos, foi diagnosticado com a doença ao dar entrada no Hospital Margarida há alguns dias. A princípio a suspeita é de que ele havia contraído febre amarela. No entanto, os exames apontaram contaminação por leishmaniose visceral.

Anúncios

O paciente já recebeu alta e faz tratamento contra a doença. As informações são da coordenadora da Vigilância em Saúde de João Monlevade (Visa), Lucimara Guerra, que disse também que o estado de saúde do homem é considerado estável.
Ainda conforme dados da Visa, em 2017, cinco pessoas contraíram a leishmaniose visceral em João Monlevade e uma morreu por conta da doença.

Continue lendo após o anúncio

A leishmaniose visceral humana é transmitida pelo mosquito-palha ou birigui (Lutzomyia longipalpis) que, ao picar, introduz na circulação do hospedeiro o protozoário leishmania. “O cachorro não transmite a doença para outros cães nem para humanos, mas uma vez contaminado se torna portador”, explicou Lucimara. Que completou: “o cão picado, infecta o mosquito-palha com a doença, tornando o inseto transmissor. Por ser um animal doméstico, estando intimamente próximo ao ser humano, o cão doente funciona como reservatório da doença. Por isso, os casos nos animais costumam preceder os em humanos, funcionando como um evento sentinela”.

Para afastar o mosquito transmissor da doença, a recomendação da coordenadora da Visa é manter a casa e o quintal limpos, embalar bem o lixo e não jogar lixo em terrenos baldios; evitar o acúmulo de matéria orgânica como folhas, restos de frutas e restos de comidas; colocar telas nas residências e na casinha dos animais, usar no cão produtos repelentes do inseto, com coleiras impregnadas com Deltametrina e evitar passear com o cão das 18h às 06 da manhã, horário de atividade do mosquito.

A Visa orienta a população que em caso de alterações físicas no cão, o proprietário do animal deve ligar imediatamente para o órgão pelos telefones 3852-4402 ou 3852-3021, para que ele possa ser avaliado.

Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui