Agência Brasil

Juiz entendeu que o inquérito não deveria ter sido distribuído para a 10ª Vara Federal no Distrito Federal
Wilton Junior/Estadão Conteúdo – 9.5.16

Juiz entendeu que o inquérito não deveria ter sido distribuído para a 10ª Vara Federal no Distrito Federal


O juiz federal Ricardo Soares Leite atendeu ao pedido da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e determinou a redistribuição do inquérito em que o ex-presidente e o ex-senador Delcídio do Amaral são acusados de tentar impedir o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró de assinar acordo de delação premiada com a força-tarefa de investigadores da Operação Lava Jato.

LEIA MAIS: Moro defende continuidade de investigação contra Lula na Operação Lava Jato

Em decisão assinada na sexta-feira (15), o juiz entendeu que o inquérito não deveria ter sido distribuído para a 10ª Vara Federal no Distrito Federal, onde ele atua, especializada em lavagem de dinheiro, pelo fato de o processo tratar-se de suposto crime de embaraço a investigação penal.

Advogados do ex-presidente dizem que inquérito deveria ser distribuído livremente por erro na classificação do processo
Reprodução/RT

Advogados do ex-presidente dizem que inquérito deveria ser distribuído livremente por erro na classificação do processo

 A decisão de Leite foi motivada por uma petição na qual a defesa de Lula contestava a distribuição do inquérito para a 10ª Vara Federal. De acordo com os advogados do ex-presidente, o inquérito deveria ser distribuído livremente porque houve um erro na classificação do processo, que foi enviado ao magistrado por ter sido identificado pelo tribunal como crime de lavagem ou ocultação de bens direitos e valores.

LEIA MAIS: Lula diz acreditar em volta de Dilma Rousseff ao poder: “Não há crime”

No dia 24 de junho, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, remeteu o processo para a Justiça Federal em Brasília por entender que a suposta tentativa de embaraçar as investigações ocorreu na capital federal. Além disso, nenhum dos envolvidos tem foro privilegiado na Corte. O processo chegou à Justiça Federal em Brasília no dia 12 de julho.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui