Estadão Conteúdo

Eduardo Cunha e sua mulher, Cláudia Cruz, negam envolvimento em crimes
Wilton Junior/Estadão Conteúdo – 5.4.16

Anúncios
Eduardo Cunha e sua mulher, Cláudia Cruz, negam envolvimento em crimes

A força-tarefa da Lava Jato pediu apoio às autoridades portuguesas para localizar o empresário Idalécio Oliveira, acusado de pagar US$ 10 milhões em propinas para ex-funcionários da Petrobras e para o presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na compra de um campo de exploração de petróleo pela estatal na África, em 2011.

Continue lendo após o anúncio

No pedido, encaminhado no dia 9 para a Secretaria de Cooperação Jurídica Internacional da Procuradoria-Geral da República, os procuradores da Lava Jato pedem que o executivo seja notificado sobre a denúncia pelas autoridades portuguesas e, no prazo de 10 dias, constitua um advogado para responder às acusações perante o juiz Sérgio Moro, em Curitiba. Ele responde aos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro.

Idalécio é português e residiria em Lisboa. Ele foi denunciado junto com a mulher de Cunha e outros dois acusados de envolvimento no polêmico episódio que rendeu propinas milionárias aos ex-funcionários da Diretoria Internacional da Petrobras, cota do PMDB no esquema de corrupção, e a Cunha e sua família.

O empresário é o dono da holding que controlava o campo de petróleo em Benin que foi vendido para a Petrobras e foi da sua empresa que saiu o pagamento milionário para a empresa do lobista João Augusto Rezende Henriques, apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção na estatal.

Graças ao apoio de investigadores suíços, o caminho do dinheiro que abasteceu Cunha até ser gasto em produtos de luxo e viagens no cartão de crédito usado por sua mulher Cláudia Cruz foi desvendado. Agora, a mulher do parlamentar responde na Justiça Federal pelo crime de lavagem de US$ 1 milhão, valor que ela consumiu no exterior.

Defesa
De acordo com o criminalista Pierpaolo Bottini, “Claudia Cruz responderá às imputações como fez até o momento, colaborando com a Justiça e entregando os documentos necessários à apuração dos fatos. Destaca que não tem qualquer relação com atos de corrupção ou de lavagem de dinheiro, não conhece os demais denunciados e jamais participou ou presenciou negociações ilícitas”.

Pelo Twitter, Eduardo Cunha publicou o seguinte:

Trata-se de procedimento desmembrado do inquérito 4146 do STF, em que foi apresentada a denúncia, pelo Procurador Geral da República, ainda não apreciada pelo Supremo.

Foi oferecida a denúncia do Juízo de 1º Grau, em que o rito é diferenciado, com recebimento preliminar de denúncia, abertura de prazo para defesa em dez dias e posterior decisão sobre a manutenção ou não do seu recebimento.

O desmembramento da denúncia foi alvo de recursos e Reclamação ainda não julgados pelo STF que, se providos, farão retornar esse processo do STF.

Independente do aguardo do julgamento do STF, será oferecida a defesa após a notificação, com certeza de que os argumentos da defesa serão acolhidos.

Minha esposa possuía conta no exterior dentro das normas da legislação brasileira, declaradas às autoridades competentes no momento obrigatório, e a origem dos recursos nela depositados em nada tem a ver com quaisquer recursos ilícitos ou recebimento de vantagem indevida.”

De pedra a vidraça: A saga de Eduardo Cunha

Cunha pareceu respirar aliviado depois da leitura do pedido de impeachment protocolado na Casa contra a presidente Dilma . Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 3.12.15Eduardo Cunha comemora com seus apoiadores sua eleição à presidência da Câmara dos Deputados -  1º de fevereiro. Foto: Câmara dos DeputadosEm março, logo no início do mandato como presidente da Câmara, Cunha preside sessão de votações com ar confiante. Foto:  Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil - 19.3.15Em outubro, já rompido com o governo, Cunha tenta manter o controle na Câmara. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 21.10.1512 de março de 2015: Cunha fala na sessão da CPI da Petrobras que não tem conta no exterior. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil -12.3.15Cunha fala com a imprensa sobre CPI da Petrobras; depoimento dado aos parlamentares desencadeou o inferno astral do parlamentar. Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil - 3.3.15Com olhar desconfiado, Cunha sai de casa após operação de busca e apreensão em sua residência oficial, em Brasília. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 10.12.15Em novembro, Cunha é hostilizado e recebe uma chuva de dólares falsos com a sua face estampada. Foto: Lula Marques/Agência PT - 4.11.15O presidente da Câmara reforça as críticas ao governo a medida que é pressionado pelas investigações da Lava Jato. Foto: José Cruz/Agência Brasil - 19.11.15Nas brigas, o tom de Cunha foi pesando a medida que o parlamentar sentiu-se acuado. Foto: Lula Marques/ Agência PTO presidente da Câmara bancou as pautas mais conservadoras na Casa. Foto: Lula Marques/ Agência PT - 10.11.15Apesar do cargo, Cunha não se importou em manter as aparências nem cultivou uma relação cordial com jornalistas e parlamentares. Foto: Lula Marques/Agência PTA situação de Cunha ficou ainda mais complicada depois de a PGR pedir que ele seja afastado da presidência da Câmara e do mandato parlamentra. Foto: Lula Marques/Agência PT - 5.11.15Com o apoio do baixo clero e de parte do PMDB, Cunha tenta se manter no poder. Foto: Lula Marques - 5.11.15O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sessão em que leu o pedido de impeachment da Dilma: segundo a presidente, o parlamentar fez um achaque ao Planalto. Foto: Agência BrasilO presidente da Câmara protelou a votação dos itens relacionados ao ajuste fiscal e dificultou a vida do governo. Foto: Lula Marques/Agência PTCunha vem defendendo insistentemente o rompimento do PMDB com o governo. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil - 15.12.15Sessões longas, que entraram pela madrugada, marcaram a gestão de Cunha como presidente da Câmara. Foto: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência BrasilComo defesa, Cunha diz ser vítima de ataques do Planalto e da PGR. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilSem sucesso, Cunha tentou costurar com os líderes dos partidos na Câmara uma forma de abordar o Supremo no caso do impeachment da presidente Dilma. Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil - 21.12.15


Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui