Macaco encontrado morto em João Monlevade será encaminhado para exames

Macaco foi encontrado morto perto da igreja São José Operário

Um macaco, encontrado morto na manhã desta terça-feira (7), no bairro Centro Industrial, em João Monlevade, será levado para a Fundação Ezequiel Dias, em Belo Horizonte, onde será submetido a exames que possam comprovar a possibilidade de contaminação por febre amarela. O primata, que foi atropelado, foi achado perto da igreja matriz São José Operário.  As informações são da secretária de Saúde, Andréa Peixoto. Ela afirmou que na semana passada um outro macaco também foi achado morto na cidade, possivelmente eletrocutado e o material genético dele também passa por avaliação.

Apesar dos dois casos na cidade, Andréa alertou que não é preciso tanta preocupação, pois João Monlevade, segundo ela, não é considerada cidade com área de risco para a febre amarela. A secretária pediu ainda que a população, caso aviste algum macaco morto, que  comunique à Vigilância em Saúde (Visa). O telefone é o 3852-3021.

A febre amarela tem aterrorizado a região leste de Minas Gerais e já fez 99 vítimas fatais no estado. A única prevenção da doença é a vacinação. Em João Monlevade, as doses são distribuídas gratuitamente nos postos de saúde. No entanto, devido a grande procura pela imunização, as vacinas têm se esgotado rapidamente. Em relação à essa questão, a secretária de Saúde alegou que à medida que os estoques chegam ao fim, nova remessa è enviada para a cidade. No município, até o momento, não há registro da doença.

Macacos mortos em Itabira estavam infectados

A Prefeitura de Itabira confirmou que dois macacos encontrados mortos na cidade estavam infectados com a febre amarela. Por conta disso, o município foi reclassificado para a “Categoria 3” no protocolo de saúde da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG).  Nessa categoria a orientação é vacinar a população nos postos fixos, volantes e casa a casa.

Além do caso desses macacos, no dia 9 de fevereiro, em Ipoema, foram registradas as mortes de outros seis primatas que passam por análise na Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro.  Diante do número de macacos encontrados mortos no Parque, o local terá as atividades encerradas temporariamente.

Sobre a doença

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus, que pode levar à morte em cerca de uma semana se não for tratada rapidamente. De acordo com o Ministério da Saúde, a doença é transmitida por mosquitos e comum em macacos, que são os principais hospedeiros do vírus. A doença se torna aparente de três a seis dias após a infecção. Os sintomas iniciais são febre, calafrios, dor de cabeça intensa, dores nas costas, dores no corpo em geral, náuseas e vômitos, fadiga e fraqueza. A maior parte das pessoas apresenta uma melhora após tais sintomas. Cerca de 20% a 40% das pessoas que desenvolvem a versão mais grave da doença (15% do total de infectados) podem morrer.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui