Mãe e padastro são suspeitos de estuprar filha de 9 anos

Na casa dos suspeitos, também foi cumprido mandado de busca e apreensão, sendo apreendidos aparelhos eletrônicos e vários vídeos pornográficos, inclusive várias fotos da filha menor tomando banho

A mãe e o companheiro dela, ambos de 39 anos, foram presos pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), nessa quarta-feira (1º), suspeitos de abusarem sexualmente da filha, hoje com 9 anos. Os crimes ocorreram em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e, segundo as apurações, a mulher teria envolvimento direto com as violências contra a criança.

De acordo com os relatos, os abusos já ocorriam há quatro anos. A Delegada Mellina Clemente explica que a criança gravou um áudio para a avó paterna pedindo ajuda. Essa, então, noticiou os fatos ao pai biológico. “A vítima falou para a avó não sentir nojo dela, mas ela tinha percebido que o que acontecia desde quando tinha 5 anos eram abusos sexuais”, afirma.

A criança morava na casa do pai, mas passava temporadas na residência da mãe e do companheiro dela. Os abusos teriam ocorrido nessas ocasiões. A vítima aponta que as violações eram cometidas em momentos em que se deitavam para dormir. Além dos abusos diretos, a PCMG apurou também que o casal mantinha relações sexuais na presença da menina. “A vítima também tinha medo de algo acontecer com a irmã de 2 anos, filha do casal preso, enquanto ela não estava lá, pois a mãe e o padrasto também chamavam a irmã mais nova para participar das relações sexuais, o que era impedido pela vítima”, conta a Delegada.

Reflexo dos abusos

Ainda de acordo com Mellina Clemente, a vítima passou por avaliação psicológica, que confirmou a existência de indícios de danos psicológicos em razão dos abusos. Em exame físico realizado no Instituto Médico-Legal (IML), também foi constatado que ela apresentava ruptura do hímen. “Diante da gravidade dos fatos e do risco envolvendo a irmã mais nova da vítima, a PCMG representou pela prisão preventiva dos suspeitos, que foi deferida e cumprida”, completa.

Na casa dos suspeitos, também foi cumprido mandado de busca e apreensão, sendo apreendidos aparelhos eletrônicos e vários vídeos pornográficos, inclusive várias fotos da filha menor tomando banho.

A mãe foi ouvida com o apoio de um intérprete da Associação de Surdos de Contagem (ASC) e negou o ocorrido o tempo todo. Ela tentou, inclusive, imputar abusos a parentes do pai da criança, que também tem deficiência auditiva. Já o padrasto, confessou o crime e detalhou todos os acontecimentos.

Prisões

O homem foi preso na casa dele, localizada no bairro Jardim Vera Cruz, em Contagem. Já a mulher, no local de trabalho, no bairro Buritis, em Belo Horizonte. Nenhum dos dois possuía antecedentes criminais. Ambos responderão pelos crimes de estupro de vulnerável e prática de relação sexual na presença de criança e adolescente

O Chefe do 2º Departamento de Polícia Civil, Delegado-Geral Rodrigo Bustamante, declara que o caso investigado pela Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) é de extrema gravidade. “Até para nós, policiais que já temos alguma experiência, trouxe indignação e uma certa revolta”, pontua. A Delegada Mellina Clemente também afirma que é um dos casos mais chocantes que ela já trabalhou em toda a vida policial.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui