A mãe de Késia Batista desconfia que sua filha tenha sido levada para as cidades de João Monlevade ou Rio Piracicaba uma vez que seu ex-companheiro tem moradias lá, ela acredita que seu ex-genro conhecido por Major seja quem sabe do paradeiro de sua filha

O desespero e a agonia que já dura quase dois anos faz com que Maria Helena Soares de 58 anos, moradora da localidade do Chaves em Santa Maria de Itabira, fizesse um apelo emocionante as pessoas e as autoridades, pelo desaparecimento de sua filha. A mãe pede para quem esteja com sua filha que a solte porque ela e suas três filhas precisam dela.

Segundo Maria Helena desde o dia 17 de agosto de 2015, sua filha Késia Juliana Soares Batista, que na ocasião tinha 26 anos, desapareceu após ser deixada por seu namorado na rodoviária Genaro Mafra, em Itabira. As últimas informações que ela teve foi do namorado da moça com quem ela estava se relacionando a cerca de dois meses. Ao ligar para o rapaz para saber se ela teria chegado a sua residência na localidade, a mãe o informou que ela não havia chegado em casa.

Segundo Maria Helena o companheiro de sua filha esteve em sua casa numa quinta-feira, antes do desaparecimento de Késia Batista. A jovem teria dito para a mãe na época, que levaria sua filha, de dois anos de idade, para conhecer a avo na cidade de Colatina no Espírito Santo.

A mãe de Késia Batista desconfia que sua filha tenha sido levada para as cidades de João Monlevade ou Rio Piracicaba uma vez que seu ex-companheiro tem moradias lá. Ela acredita que seu ex-genro conhecido por “Major” seja quem sabe do paradeiro de sua filha.

Késia deixou três filhas, uma com 10 anos, a segunda de 7 anos e a casula que hoje esta com 4 anos. As duas meninas dizem sentir muita falta da mãe que todos os dias sonham com seu retorno.

Késsia está desaparecida há cerca de 2 anos
Delegado Paulo Tavares

Maria Helena disse que na ocasião registrou o desaparecimento de sua filha junto a Delegacia de Policia Civil de Santa Maria de Itabira onde o inquérito que já esta em andamento e permanece sendo investigado. Em conversa com o Delegado Regional Dr Paulo Tavares Neto ele disse que já foram ouvidos todos os envolvidos e que os investigadores já realizaram diversas diligencias nos locais mencionados pela família, mas todas sem o sucesso.

Paulo Tavares disse ainda que caso continua sendo investigado e que qualquer pessoa que possa ter visto Késia Batista em algum lugar, que faça a denúncia. Caso o denunciante não queira se identificar pode fazer através dos 181(Disque Denuncia Unificado).

Os familiares de Késia Batista pedem ajuda para quem tiver alguma informação sobre ela, fazer contato através do numero 190, 181 e (31) 98785-2391.

Fonte/Fotos: Sílvio Andrade

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui