Deputado exige a aplicação da Lei Estadual 23.797/2021 que garante esse benefício temporário nos três meses subsequentes às enchentes

Em reunião com o governador Romeu Zema, o deputado estadual Bernardo Mucida cobrou a imediata isenção total das tarifas de água, esgoto e de energia elétrica aos consumidores residenciais, industriais e comerciais atingidos pelas enchentes em Santa Maria de Itabira em fevereiro deste ano. Esta foi uma reivindicação feita pelo deputado ao governador e reforçada na Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (8/4).

Mucida cobrou a aplicação da Lei Estadual 23.797/2021 e o ato de regulamentação deste dispositivo, para que os moradores de Santa Maria de Itabira possam ter acesso ao benefício. Somente após a edição de ato administrativo do governador, as famílias, os empresários e os comerciantes afetados poderão procurar a Companhia de Abastecimento (Copasa) e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) para a realização de um cadastro visando garantir a isenção.

Segundo Mucida, a garantia do benefício virá em um dos momentos mais difíceis da história da cidade, em que inúmeras famílias perderam suas casas e seus pertences durante as fortes chuvas. “Estive em Santa Maria diversas vezes e vi de perto a realidade das famílias, que tiveram que utilizar água e energia para limpeza de suas casas e comércios. Isso provocou um aumento absurdo no valor das contas de água e luz, exatamente no momento em que as pessoas estão mais debilitadas, pois perderam muitos bens na enchente. Por isso, estou cobrando a aplicação efetiva e imediata desta lei”, reforça o deputado.

Entenda a lei

A Lei Estadual 23.797/2021 que garante a isenção por três meses, das tarifas de luz, água e esgoto aos atingidos por enchentes ocorridas em Minas Gerais foi promulgada no dia 20 de janeiro de 2021, entrando em vigor imediatamente.

A nova lei beneficia consumidores residenciais, comerciais e industriais. Para ter acesso ao benefício, será preciso se cadastrar na Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e na Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

Contudo, para aplicação da lei é necessário a edição de Ato Administrativo do Governador do Estado. Caberá às empresas Cemig e Copasa realizar a fiscalização dos imóveis isentos no período determinado. As despesas decorrentes da aplicação desta lei correrão por conta de dotações próprias consignadas no orçamento vigente, que, se necessário, poderão ser suplementadas.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui