Nelson Hungria reforma e amplia Centro de Observação Criminológica

Espaço é destinado a detentos que ingressam na unidade prisional, onde passam por avaliações e triagem nas áreas social, psicológica, de saúde e jurídica (Bernardo Carneiro/Seap)

A direção-geral do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte, colocou novamente em funcionamento o Centro de Observação Criminológica (COC) da unidade prisional, após uma reforma completa.

Para o local são direcionados os presos que estão ingressando na unidade prisional, onde passam por avaliações técnicas e entrevistas de triagem nas áreas social, psicológica, saúde e jurídica.

Os recursos para a obra foram obtidos com penas de prestação pecuniária, aplicadas pela Vara de Execuções Penais da Comarca de Contagem, que tem como titular o juiz Wagner de Oliveira Cavalieri. Na liberação das verbas, o Conselho da Comunidade teve papel fundamental, ao encaminhar o pedido para a comarca e atuar como facilitador na obtenção das verbas.

O COC esteve fechado para obras a partir de 20 de setembro do ano passado, e foi reaberto como se fosse um novo prédio. Nas amplas celas destinadas para apenas um preso foram construídos dois beliches, o que aumentou a capacidade para quatro presos. Como o local dispõe de 20 celas, a capacidade total passou para 80 presos.

Toda a rede elétrica e hidráulica foi substituída, a alvenaria reforçada, paredes pintadas, portas e grades restauradas e a ventilação ampliada.

Para o diretor-geral da unidade prisional, Willian de Abrête Pinto, o local está pronto para contribuir da melhor forma possível em situações de emergência do sistema prisional.

“Graças ao apoio da Vara de Execuções e do Conselho da Comunidade estamos realizando várias melhorias. A próxima entrega será a enfermaria, também amplamente reformada”, diz o diretor.

A enfermaria e o COC integram um pacote de projetos e obras no valor total de R$ 300 mil, que inclui ainda a escola; manutenção do circuito fechado de televisão (CFTV); reforma da parte elétrica externa, holofotes e postes; o Projeto Repintar, de incentivo à arte, por meio da pintura de telas; e um carrinho elétrico para transportar visitantes idosos e com dificuldades de locomoção, em função das distâncias do portão principal para os pavilhões.

“Buscamos atender às necessidades dos familiares, reclusos e servidores”, explica o presidente do Conselho da Comunidade, Divino Antonio dos Santos. A compra de material e execução das obras são de responsabilidade dos membros do conselho. Na obra trabalharam 14 presos do Complexo Penitenciário Nelson Hungria.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui