Agência Brasil

Juiz Sérgio Moro é o responsável pela condução da Operação Lava Jato na primeira instância
Rovena Rosa/ Agência Brasil – 29.03.16

Juiz Sérgio Moro é o responsável pela condução da Operação Lava Jato na primeira instância


O juiz federal Sergio Moro homologou nesta terça-feira (19) pedido da defesa do empresário Marcelo Odebrecht, preso na Operação Lava Jato, para desistir da oitiva de 15 testemunhas de defesa, entre as quais a presidente afastada Dilma Rousseff e os ex-ministros Antônio Palocci, Guido Mantega e Edinho Silva.

Todos foram arrolados pela própria defesa e prestariam depoimento em uma das ações penais a que o empresário e ex-dirigentes da empreiteira Odebrecht respondem na operação.

LEIA TAMBÉM: 
– Deputados vão trabalhar apenas três dias por semana em agosto, diz Rodrigo Maia
– Filho de Eduardo Cunha tem passaporte diplomático suspenso pela Justiça

Ao solicitar a desistência, a defesa de Marcelo Odebrecht alegou que a iniciativa deve-se a “motivo que se encontra sob sigilo”. Em manifestação enviada nesta terça-feira (19) a Moro, a força-tarefa de procuradores da Lava Jato concordou com a renúncia das testemunhas, mas informou que desconhece as razões pelas quais os advogados usaram o termo “sob sigilo”.

De acordo com a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal à Justiça em Curitiba, Marcelo Odebrecht está envolvido diretamente no esquema de pagamento de propina aos ex-dirigentes da Petrobras. Ele orientava as atividades dos demais acusados ligados à empreiteira, segundo a acusação.

Marcelo foi condenado a 19 anos de prisão por crimes de corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro
Reprodução/Twitter

Marcelo foi condenado a 19 anos de prisão por crimes de corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro


Para abrir a ação penal, o juiz considerou significativos documentos da Suíça apresentados pela acusação, que demonstram a movimentação de contas da Odebrecht para ex-dirigentes da petroleira.

Em março, Moro condenou Marcelo Odebrecht a 19 anos e quatro meses de prisão por crimes de corrupção passiva, associação criminosa e lavagem de dinheiro. Na ocasião, a defesa do empreiteiro afirmou que a sentença é injusta e que vai recorrer para provar a inocência dele.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui