Operação apura esquema de soltura ilegal de presos no estado

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), deflagrou na manhã desta sexta-feira, 9 de novembro, com o apoio da Corregedoria-Geral da Polícia Civil, da Polícia Militar de Minas Gerais, da Corregedoria da Secretaria de Administração Prisional, a operação “Resgate”.

O objetivo da ação foi cumprir nove mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão temporária expedidos pelo Juízo da Vara de Inquéritos Policiais da Comarca de Belo Horizonte, atendendo a pedido do MPMG.

As ordens judiciais autorizaram a entrada em uma repartição pública estadual, um escritório de advocacia e sete residências, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, de pessoas investigadas pelo envolvimento em organização criminosa voltada para a soltura indevida de presos do sistema prisional.

Conforme investigado, o esquema criminoso, integrado por advogados, policiais civis e agente penitenciário, beneficiava detentos de alta periculosidade e elevado poder aquisitivo, movimentando ilicitamente milhões de reais em propinas pagas aos servidores públicos.

Na operação, foram apreendidos documentos, aparelhos celulares, dinheiro em espécie e joias, que ficarão acautelados, à disposição da investigação. Quatro dos cinco investigados foram presos, e um dos investigados está foragido.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui