Pelotão completa dois anos na próxima quarta-feira (21). Arquivo/Bell Silva

O comando da 17ª Companhia de Polícia Militar Independente, de João Monlevade, inaugurou na manhã desta segunda-feira (21) o Pelotão de Recobrimento Tático Móvel (PRTM), que vai atuar de forma preventiva e repressivamente no combate ao tráfico de drogas e à criminalidade violenta, diuturnamente, recobrindo o policiamento de rotina e com ágil deslocamento na área de atuação da Companhia.

O Tenente Anderson Eustáquio Davi, será o comandante responsável pelo Pelotão, que conta com 19 policiais militares, cinco motocicletas e quatro viaturas que atuarão exclusivamente para atender a unidade policial.

Anúncios
Continue lendo após o anúncio

O projeto começou a ser estudado em maio deste ano, diante do aumento da criminalidade no município. No dia 05 de julho foi criado o primeiro turno do PRTM, em fase experimental obtendo resultados positivos que, até a data de hoje, culminaram em 139 prisões, 21 armas de fogo apreendidas, foragidos recapturados e duas quadrilhas especializadas em assaltos foram desarticuladas pelo grupo recém criado.

Segundo o tenente Davi a unidade vai aturar firme no combate a criminalidade. “O Pelotão Tático Móvel vai funcionar como apoio do policiamento convencional, e direcionado para a criminalidade violenta, uma repreensão qualificada. Vamos atuar mediante denúncias anônimas, além de uma parceria muito forte com a P2, que é o nosso setor de inteligência. Então eles fazem o levantamento dos criminosos mais contumazes ou dos mais perigosos de Monlevade e a gente vai mapeado o crime na cidade”, pontuou o oficial.

INAUGURAPRTM 040

O major Jayme Alves falou sobre a importância desse projeto para o município e também para as outras 10 cidades que compõem a unidade, uma vez que o PRTM vai atender ocorrências de impacto nestas cidades, quando solicitados. “O trabalho de recobrimento do Pelotão Tático Móvel é bastante específico. São equipes que vão para o policiamento e não serão empenhados em ocorrências de rotina. Eles ficam à disposição na unidade, é uma tropa do comando. É uma força de resposta para atuar nas 10 cidades que compõem a nossa Companhia de forma que eles precisam estar o tempo todo de serviço e liberados. Quando estiveram nas ruas estarão com um foco naqueles indivíduos que são dados à prática de crimes violentos, ou seja, pessoas envolvidas com roubos e tráfico de drogas. Esses são os alvos que os policias do Tático Móvel vão sair todas as manhãs para abordar nas ruas, porque se der espaço eles crescem”, disse Jayme Alves.

O evento contou com a presença de diversas autoridades e parceiros da Polícia Militar, que foram homenageados durante a solenidade com diplomas. Uma banda de música, da Polícia Militar de Ipatinga, participou da solenidade tocando o Hino Nacional Brasileiro durante o hasteamento de bandeiras.

Jayme Alves agradeceu a todos pelo apoio, em especial ao Coronel Edvânio Rosa Carneiro, comandante da 12a Região da Polícia Militar, com sede em Ipatinga que, segundo ele, não mediu esforços para conseguir, junto ao comando geral da Polícia Militar de Minas Gerais, o envio de novas viaturas para a cidade, para que o Pelotão fosse implantado. “O coronel Edvânio tem dado todo apoio a nossa unidade e, em breve, receberemos mais uma viatura para o Tático Móvel com intermédio dele”, disse.

Ao final todos os militares do Pelotão de Recobrimento Tático Móvel embarcaram nas viaturas e saíram em patrulhamento pela cidade.

INAUGURAPRTM 133

Criação de um Batalhão na cidade

Um estudo já vem sendo realizado pelo Comando da 12a RPM para que a 17a Companhia de Polícia Militar Independente, de João Monlevade, possa ser transformada em um Batalhão. A informação foi passada pelo major Jayme Alves durante o evento desta segunda-feira.

Segundo Jayme Alves a criação do Pelotão Tático Móvel é o primeiro passo para novas transformações que vão ocorrer na unidade. Perguntado sobre quais seriam estas transformações, ele disse que a João Monlevade já foi uma companhia comum, subordinada ao Batalhão de Itabira e que veio a se tornar independente em 2005 e, desde então, possui todas as estruturas de um Batalhão. “Falta pouco. Esse assunto é tratado a nível estratégico pelo Estado Maior da Polícia Militar, pelo comando geral, com a participação do nosso comandante Coronel Edvânio, porque é um projeto que deve ocorrer. Não posso te afirmar em que momento porque quando se torna um batalhão a previsão é de um efetivo maior, mais viaturas. O Estado de Minas Gerais é formado por 853 municípios, então, o comando precisa trabalhar com bastante cautela para que não se crie um Batalhão somente no papel. É preciso criar com os recursos logísticos e humanos suficientes para se fazer efeito.Criar um Batalhão simplesmente trocando uma placa não é suficiente, temos que virar com uma estrutura pronta, e esse é o projeto do comando da PM. Então não posso te afirmar quando será, mas está sendo estudado para que no futuro, o mais breve possível, tornarmos a Companhia em um Batalhão”, disse Jayme Alves.

Anúncios
Publicidade

7 COMENTÁRIOS

  1. Já passou da hora de termos policiais que enfrentam bandidos mesmo. Ontem fomos parados numa blitz por uma dessés carros grandea da policia. No começo é um pavor. Mas depois tratam a gente muito bem ei e nei esposo. Quem tem medo é criminoso. Parabéns policiais de Monlevade.

    • Quem não deve não treme , a polícia não é nenhum bicho não. Os únicos que tem que temer, são os bandidos . Parabéns a polícia Militar de João Monlevade, em especial a todos os guerreiros do Tático Móvel, que Deus continue abençoando e protegendo a vida de cada um dos guerreiros . Vá e vença, pois os fracos não reconheço. ??????????

  2. Quem não deve não teme . A polícia não é Deus para saber quem é bandido. Tem que mostrar força mesmo, monlevade está muito mal acostumada . Força e Honra guerreiros. Vá e vença, pois os fracos não reconheço. ??????????????????????????

  3. A Polícia Militar de Minas Gerais é atuante na repressão, através do policiamento ostensivo e do policiamento investigativo. O problema está na legislação. O meliante é conduzido para a delegacia, mas é liberado rapidamente. Há casos em que o meliante sai antes do policial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui