Os testes iniciais para a pesquisa que vai definir os requisitos técnico-científicos para homologação dos drogômetros no Brasil começaram, nesta semana, com a capacitação de policiais rodoviários federais.

Anúncios

Os drogômetros são dispositivos portáteis utilizados para detecção de substâncias psicoativas, como cocaína, maconha, anfetaminas e outras. A coleta é feita por amostras de fluido oral e não precisa de profissionais especializados, como é o caso da coleta de sangue. Os resultados saem em um período de 5 a 10 minutos após a coleta.

Continue lendo após o anúncio

Os agentes de segurança pública vão aprender como coletar amostras usando os equipamentos nas rodovias federais. Os aparelhos têm a função de detectar o uso recente de substância psicoativa.

As diretrizes para o uso dos equipamentos no país estão sendo definidas por um grupo de trabalho coordenado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, por meio da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. O grupo conta ainda com a participação da Polícia Rodoviária Federal, da Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Departamento Nacional de Trânsito e do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia.

A capacitação dos policiais termina nesta sexta, dia 6, e está a cargo da equipe do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, por meio do Centro de Pesquisa em Álcool e Drogas. A pesquisa será realizada nas estradas federais de todo o país.

Os testes serão feitos com motoristas voluntários. Neste primeiro momento, as amostras positivas não vão configurar infração legal, uma vez que os aparelhos ainda não têm homologação para fiscalização.

Todas as amostras que tiverem o resultado positivo – e uma fração das negativas – serão armazenadas em freezers específicos, para depois serem analisadas em laboratório.

Os motoristas que apresentarem alterações psicomotoras serão fiscalizados de acordo com a legislação. Primeiro serão convidados a participar da pesquisa. Se concordarem, farão o teste do bafômetro. Se constatada presença de substância psicoativa, recebem o auto de infração e, se for o caso, podem ser presos.

Os aparelhos escolhidos para o período de testes foram recebidos pelo ministério, por meio de cessão de uso gratuito, depois de um processo de chamamento público.

Após os testes, os equipamentos que tiverem a sua eficácia comprovada serão regulamentados pelo Conselho Nacional de Trânsito e pelo Inmetro e poderão ser utilizados em ações de fiscalização do uso de drogas.

Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui