O município de João Monlevade já tem 79.590 habitantes, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

O município de João Monlevade já tem 79.590 habitantes, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados hoje (30) no Diário Oficial da União. No ano passado, o levantamento anual do IBGE indicava uma população de 79.100 monlevadenses. Uma taxa de crescimento populacional de 0,62% entre 2016 e 2017.

Na região do Médio Piracicaba, o município de Itabira continua sendo o mais populoso, com 119.285, seguido por João Monlevade, Barão de Cocais (31.968), Santa Bárbara (21.415), São Domingos do Prata (17.787), Alvinópolis (15.599), Rio Piracicaba (14.624), São Gonçalo do Rio Abaixo (10.773), Bela Vista de Minas (10.416), Dionísio (8.287), Dom Silvério (5.351), Catas Altas (5.316) e Sem-Peixe (2.776).

As estimativas populacionais municipais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União no cálculo do Fundo de Participação dos Estados e Municípios e são referência para vários indicadores sociais, econômicos e demográficos.

Queda na população

Os municípios de Dionísio e Sem-Peixe são os únicos que vem apresentando queda na população nos últimos sete anos, desde a divulgação do Censo Demográfico em 2010. Na primeira cidade a redução no numero de habitantes é de 452 pessoas e na segunda é de menos 71 moradores.

De acordo com a gerente da pesquisa, Isabel Marri, a diminuição da taxa populacional nos municípios é uma tendência que vem ocorrendo nos últimos anos e decorre da redução da fecundidade e da migração.

“A maioria dos municípios, 68%, tem até 20 mil habitantes, Esses municípios menores tendem a perder população para os com maior dinamismo econômico. Por isso temos poucas cidades com muitos habitantes e muitas cidades com poucos habitantes”, disse.

Embora os fluxos migratórios tenham perdido força, destacou ela, os municípios ao redor dos grandes centros têm aumentado seu contingente populacional. “Os grandes centros já têm um custo elevado para se viver, mas como neles estão os empregos, a população começa a se concentrar nas cidades próximas aos municípios maiores”.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui