Prefeitos da região estão preocupados com decisão da Vale em interromper produção

A Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (AMIG), reelegeu nesta quarta-feira, a atual diretoria para mais um mandato de dois anos (Divulgação)

Prefeitos de cidades vizinhas a João Monlevade têm demonstrado preocupação com a decisão da Vale em interromper produção de minério em dez barragens com o descomissionadas de unidades que ficam em Abóboras, Vargem Grande, Capitão do Mato e Tamanduá, no complexo Vargem Grande, e as operações de Jangada, Fábrica, Segredo, João Pereira e Alto Bandeira, no complexo Paraopebas.

A medida anunciada pela Vale vai reduzir a produção em 40 milhões de minério de ferro e 10 toneladas de pelotas por ano, o que representa 10% da produção da empresa ao ano. A diminuição da produção afeta diretamente o pagamento dos royalties do minério.

A preocupação dos prefeitos foi externada nesta quarta-feira (30) durante eleição da direção da Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (AMIG). Integram a diretoria os prefeitos de de Itabira, Ronaldo Lage Magalhães (vice-presidente) e de São Gonçalo do Rio Abaixo, Antônio Carlos Noronha Bicalho (diretor administrativo).

O presidente da Amig, prefeito de Nova Lima, Vitor Penido de Barros, pontuou que uma das principais metas da diretoria é a cobrança por mais fiscalização nas cidades mineradoras, estruturação da Agência Nacional de Mineração (ANM) e a criação do Programa Permanente da Mineração. Ainda conforme o prefeito, ao longo da última gestão foi realizado um trabalho árduo, que se somou aos esforços dos anos anteriores, para mudanças significativas na área mineral, como a alteração nos royalties do minério, que levou ao recorde histórico da arrecadação da CFEM, em 2018.

No ano passado foram pagos R$ 760 milhões de royalties aos municípios e ao estado. A Vale ainda não informou se vai haver a compensação da queda de royalties e da arrecadação de impostos com o plano de desmonte das barragens que será apresentado ao Governo Federal.

 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui