A videoconferência ocorreu na sede da Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Piracicaba (Amepi). Durante a reunião ficou pactuado que a Cemig fará uma rede trifásica, de média tensão, com 0,9 km de extensão, na comunidade de Santa Rita de Pacas. Fotos Heverton Elias/Acom/PMMG

A Prefeitura de João Monlevade e a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) realizaram uma reunião por videoconferência na última sexta-feira (8), para tratar de um projeto que deve resolver os problemas de falta de energia nas estações de captação e de tratamento do Departamento de Águas e Esgotos (DAE) do município.

A videoconferência ocorreu na sede da Associação dos Municípios da Microrregião do Médio Piracicaba (Amepi). Durante a reunião ficou pactuado que a Cemig fará uma rede trifásica, de média tensão, com 0,9 km de extensão, na comunidade de Santa Rita de Pacas.

Serão instalados 25 postes e equipamentos capazes de religar automaticamente a energia das duas estações em casos de interrupção. A concessionária fará o investimento sem ônus para a Prefeitura e para o DAE, com previsão de ser concluída até 30 de maio.

Mais vantagens

O projeto ainda poderá incluir a instalação de rede de baixa tensão em toda extensão do projeto, permitindo que a Prefeitura possa instalar braços de iluminação pública posteriormente. Além disso, todas as unidades do DAE de média e baixa tensão serão cadastradas como cliente especial, para garantir atendimento prioritário para a autarquia quando houver problemas relacionados à energia.

Falta de energia é um dos grandes gargalos do DAE

O objetivo da obra é diminuir os problemas de falta de água no município. De acordo com o DAE, parte do desabastecimento está ligado as interrupções no fornecimento de energia nas estações de captação e tratamento, algo que deve ser minimizado com o projeto. Nos próximos dias a Prefeitura encaminhará um ofício à Cemig informando as condições pactuadas na reunião.

Participaram da videoconferência, o prefeito Dr. Laércio Ribeiro (PT), o procurador jurídico da Prefeitura, Hugo Martins e o chefe do DAE, Geraldo Amaral. “O problema do desabastecimento está ligado há vários fatores. A falta de energia na captação é um desses fatores que pretendemos resolver com esta obra”, disse o chefe do DAE.

Também participaram o superintendente de relacionamento com clientes da Cemig, Wantuil Dionísio Teixeira; a gerente de relacionamento com clientes da média tensão e poder público da Cemig, Luciene Rezende Silva; o gerente de engenharia, automação e sistemas da distribuição da Cemig, Marcos Antônio Arruda Lopes e o superintendente de expansão e manutenção preventiva da distribuição, Antônio de Pádua Dutra Pereira.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui