Propriedades rurais de Catas Altas terão fossas sépticas

Ao todo, 150 propriedades rurais do município serão contempladas no projeto que prevê a expansão do saneamento rural

Algumas dezenas de propriedades rurais de Catas Altas serão beneficiadas, em breve, com fossas sépticas. A medida era uma das ações previstas no Plano de Governo da atual gestão que vai sair do papel.

Em menos de um ano, já foram realizadas 40% das propostas do plano para o setor de Agricultura e Meio Ambiente para todo o mandato. Destas, 75% foram voltadas para a melhoria das condições de vida e de trabalho do agricultor.

Além disso, a instalação das fossas é uma das sugestões do Projeto Rio Vivo que tem como objetivo a melhoria dos recursos hídricos nos municípios participantes da Microbacia do Rio Piracicaba.

Ao todo, 150 propriedades rurais do município serão contempladas no projeto que prevê a expansão do saneamento rural (com a construção de fossa séptica para melhorar a qualidade da água); controle de atividades geradoras de sedimentação (com a construção de Barraginhas e caixas secas e desassoreamento de rios); recomposição das Áreas de Proteção Permanente (APP) e de Nascentes (com cercamento de nascentes e plantio de árvores); e Cadastramento Ambiental Rural (CAR).

O projeto completo engloba três etapas. A primeira aconteceu no ano passado com a inscrição do município no processo de seleção para participação. Neste ano, está acontecendo um diagnóstico nas propriedades selecionadas para saber quais intervenções serão necessárias em cada uma e, entre 2018 e 2020, será feito o monitoramento dessas ações.

O acompanhamento dos trabalhos contará com apoio de uma equipe composta por representantes das comunidades, poder público, instituições, associações, organizações não-governamentais, cooperativas e sindicatos.

Para serem selecionadas, as propriedades deveriam se enquadrar em alguns critérios, dentre eles, estarem localizadas na microbacia validada, manifestarem interesse em participar, estarem próximas das cabeceiras de captação e terem menos do que quatro módulos fiscais, que compreende uma área de até 80 hectares.

O projeto Rio Vivo trará muitos benefícios para o município, uma vez que, com a realização dessas ações nas propriedades contempladas, será possível aumentar a vazão dos cursos d’água devido à proteção das nascentes e à construção de bacias de contenção de água das chuvas e também devido à melhoria da qualidade das águas com a retirada e tratamento do esgoto nas áreas rurais.

Reflexos diretos e positivos também são esperados na saúde da população dessas localidades e, com isso, haverá diminuição dos recursos despendidos pelo poder público no tratamento de doenças vinculadas à má qualidade da água, que representam, de acordo com o Ministério da Saúde, de 80 a 90 % das doenças e internações no Brasil.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui