O presidente da Associação São Vicente de Paula, José Roberto Guimarães, enviou uma nota à imprensa na manhã desta quinta-feira (20) para esclarecer as denúncias feitas pelo vereador Sinval jacinto Dias (PSDB), durante a reunião da Câmara Municipal semanas atrás, envolvendo supostas irregularidades na unidade de saúde, o que teriam provocado uma dívida com o SUS em torno de R$500,00.

José Roberto disse ainda que vai processar o vereador Telles Superação (PHS), presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores de João Monlevade, que “teria dito que metade da dívida do hospital teria sido contraída nos últimos quatro meses”.

Anúncios
Continue lendo após o anúncio

Confira abaixo a nota envida na íntegra.

 

 “NOTA DE ESCLARECIMENTO

A diretoria da Associação são Vicente de Paula, mantenedora do Hospital Margarida, esclarece que, os fatos levantados pelo vereador Sinval Jacinto Dias em reunião ordinária da Câmara de Vereadores de João Monlevade e tão debatido pela imprensa nos últimos dias, envolvendo Sistema Único de Saúde (SUS) X MEDICO X Hospital Margarida, requer tais observações:

– Todos os fatos ocorridos não foram em nossa gestão e, portanto não poderíamos pronunciar antes de tomar total conhecimento dos fatos e os mesmos só seriam possíveis após analisarmos os documentos apresentados.

– Não há o que opinarmos sobre os fatos, pois o relatório do SUS é conclusivo, entendemos que qualquer processo judicial ou extrajudicial, é inviável emitir opiniões após suas devidas conclusões finais.

– O Hospital Margarida ainda não foi executado para pagamentos, portanto ainda não pode repassar a quem é realmente responsável pelo ato, no caso o médico Dr. Railton, que assinou as guias de Autorização de Internação Hospitalar (AIHs) para que o mesmo arque com o prejuízo financeiro.

A diretoria do Hospital Margarida esclarece ainda que o ato médico é uma decisão e responsabilidade do próprio médico que o pratica, não cabendo interferência da diretoria e muito menos de enfermeiros, técnicos de enfermagem ou de auditor por parte do hospital, por isso que as AIHs são feitas de próprio punho, assinado a carimbado pelo médico que realizou o procedimento, no caso Dr. Railton, no entanto não há o que discutir responsabilidades.

Esperamos esclarecer melhor esse assunto na Audiência Pública marcada para dia 18 do próximo mês, assim será uma ótima oportunidade de resolvermos o caso e até mesmo selar acordos para evitar que, o Hospital Margarida tenha suas contas bloqueadas uma vez que entendemos que isso impossibilitaria o funcionamento do hospital.

Quanto ao vereador Telles, presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Vereadores de João Monlevade, nosso departamento jurídico está preparando o ajuizamento da causa. Esse vereador nunca foi ao Hospital Margarida durante essa gestão para saber as reais condições financeiras daquela casa de saúde e o mesmo disse que “o Hospital Margarida possui atualmente uma dívida de quase R$20 milhões, contraída através de empréstimos, sendo que quase a metade foi contraída nos últimos quatro meses”.  Por tamanha mentira dizendo que quase a metade da dívida do Hospital Margarida foi contraída nos últimos quatro meses, não resta outra atitude de nossa parte a não ser ajuizar a questão, até para preservar a instituição Hospital Margarida e a própria população, uma vez que tal noticia gera comoção popular, tirando o conforto dos que mais precisam do Hospital Margarida.

Jose Roberto Fernandes

Presidente da ASVP”

Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui