Estadão Conteúdo

Presidente do CCJ, Serraglio negou que esteja beneficiando Cunha com os prazos prolongados
Wikimedia Commons

Presidente do CCJ, Serraglio negou que esteja beneficiando Cunha com os prazos prolongados


O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), avalia que será possível concluir a votação do recurso do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) até o dia 12 de julho, última semana antes do início do recesso parlamentar. “No que for possível ser produtivo, aproveitando o pouco tempo que nós temos, estou pautando e fazendo acontecer”, assegurou Serraglio.

Por conta da instabilidade de quórum na Casa nos últimos dias, o peemedebista explicou que marcou a sessão de leitura do parecer do relator Ronaldo Fonseca (PROS-DF) para quarta-feira (6) porque não seria possível votar o recurso nesta semana. “Não pautei para hoje porque não tínhamos (sessão) hoje. Como é que eu ia imaginar que o presidente (da Câmara, Waldir Maranhão – PP-MA) ia convocar uma reunião de hoje a quinta-feira? Meu raciocínio foi construído na inexistência desta segunda-feira”, justificou. Serraglio afirmou ainda que Fonseca precisava de mais tempo para produzir um relatório.

Deputado e presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é investigado na Lava Jato
Ricardo Botelho/Brazil Photo Press/Estadão Conteúdo

Deputado e presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é investigado na Lava Jato

Na avaliação de Serraglio, um eventual recesso branco não interromperia a análise do pedido de cassação no plenário, mas admite que haveria dificuldade em reunir parlamentares para votar o caso de Cunha no plenário. Ele negou que esteja beneficiando Cunha com os prazos prolongados, disse estar com a “cabeça tranquila”, mas reconheceu que o impasse no processo de cassação do colega de bancada causa transtorno para a Câmara. “Toda situação do Eduardo Cunha é tormentosa, é evidente que há dificuldade para a Casa”, concordou o deputado.

Serraglio espera que Fonseca entregue seu parecer nas próximas horas desta segunda-feira (4) e avisou que encaminhará o relatório para todos os membros da comissão. Cunha será notificado a comparecer na comissão, se assim o quiser.

Cunha pareceu respirar aliviado depois da leitura do pedido de impeachment protocolado na Casa contra a presidente Dilma . Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 3.12.15Eduardo Cunha comemora com seus apoiadores sua eleição à presidência da Câmara dos Deputados -  1º de fevereiro. Foto: Câmara dos DeputadosEm março, logo no início do mandato como presidente da Câmara, Cunha preside sessão de votações com ar confiante. Foto:  Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil - 19.3.15Em outubro, já rompido com o governo, Cunha tenta manter o controle na Câmara. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 21.10.1512 de março de 2015: Cunha fala na sessão da CPI da Petrobras que não tem conta no exterior. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil -12.3.15Cunha fala com a imprensa sobre CPI da Petrobras; depoimento dado aos parlamentares desencadeou o inferno astral do parlamentar. Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil - 3.3.15Com olhar desconfiado, Cunha sai de casa após operação de busca e apreensão em sua residência oficial, em Brasília. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 10.12.15Em novembro, Cunha é hostilizado e recebe uma chuva de dólares falsos com a sua face estampada. Foto: Lula Marques/Agência PT - 4.11.15O presidente da Câmara reforça as críticas ao governo a medida que é pressionado pelas investigações da Lava Jato. Foto: José Cruz/Agência Brasil - 19.11.15Nas brigas, o tom de Cunha foi pesando a medida que o parlamentar sentiu-se acuado. Foto: Lula Marques/ Agência PTO presidente da Câmara bancou as pautas mais conservadoras na Casa. Foto: Lula Marques/ Agência PT - 10.11.15Apesar do cargo, Cunha não se importou em manter as aparências nem cultivou uma relação cordial com jornalistas e parlamentares. Foto: Lula Marques/Agência PTA situação de Cunha ficou ainda mais complicada depois de a PGR pedir que ele seja afastado da presidência da Câmara e do mandato parlamentra. Foto: Lula Marques/Agência PT - 5.11.15Com o apoio do baixo clero e de parte do PMDB, Cunha tenta se manter no poder. Foto: Lula Marques - 5.11.15O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sessão em que leu o pedido de impeachment da Dilma: segundo a presidente, o parlamentar fez um achaque ao Planalto. Foto: Agência BrasilO presidente da Câmara protelou a votação dos itens relacionados ao ajuste fiscal e dificultou a vida do governo. Foto: Lula Marques/Agência PTCunha vem defendendo insistentemente o rompimento do PMDB com o governo. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil - 15.12.15Sessões longas, que entraram pela madrugada, marcaram a gestão de Cunha como presidente da Câmara. Foto: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência BrasilComo defesa, Cunha diz ser vítima de ataques do Planalto e da PGR. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilSem sucesso, Cunha tentou costurar com os líderes dos partidos na Câmara uma forma de abordar o Supremo no caso do impeachment da presidente Dilma. Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil - 21.12.15


Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui