Agência Brasil

Tido como aliado de Cunha, relator Ronaldo Fonseca aceitou apenas um recurso do peemedebista
André Dusek/Estadão Conteúdo – 4.5.16

Tido como aliado de Cunha, relator Ronaldo Fonseca aceitou apenas um recurso do peemedebista

O deputado Ronaldo Fonseca (PROS-DF) negou nesta sexta-feira (8) o aditamento apresentado por Eduardo Cunha (PMDB-RJ) que pede que a tramitação de seu processo de cassação no Conselho de Ética seja revista, com o argumento que, com sua renúncia, anunciada nessa quinta-feira (7), cessou a motivação do conselho para pedir a cassação do mandato de Cunha.

Fonseca, que é relator do recurso de Cunha na Comissão de Constituição e Justiça da Casa (CCJ), disse que nem chegou a conhecer o aditamento de Cunha por não apresentar nenhuma norma do Regimento Interno, da Constituição ou do Conselho de Ética que tenha sido descumprida. ?Mesmo que eu conhecesse [aceitasse] não poderia dar provimento ao aditamento do meu voto, porque seria uma questão de mérito, de maneira que eu estaria invadindo a competência do Conselho de Ética e não comporta à CCJ analisar questão de mérito, mas regimentais e de procedimentos?, disse.

O aditamento de Cunha foi o 17º  pedido apresentado por Cunha em seu recurso ao colegiado. Com a negação, Fonseca mantém o voto apresentado na quarta-feira (6) em que reconheceu apenas um deles, para anular a votação que resultou na aprovação do pedido de cassação de Cunha.

A reunião do Conselho de Ética para discutir e votar o parecer de Fonseca, marcada inicialmente para a segunda-feira (11), foi remarcada para a terça-feira (12). O líder da Rede, Alessandro Molon (RJ), disse que a mudança faz parte de uma manobra para atrasar o processo e evitar a cassação do deputado. Molon anunciou que está colhendo assinaturas na Casa para manter a reunião de segunda, mas o documento, que precisa de um terço das assinaturas do colegiado, tem efeito mais simbólico do que prático, pois precisaria ser aprovado por maioria simples da CCJ em uma sessão já agendada.

Questionado a este respeito, Fonseca disse que defende que a votação do parecer seja feita na terça-feira, mas que também está à disposição para participar de uma eventual reunião na segunda-feira.

De pedra a vidraça: A saga de Eduardo Cunha

Último ato: Para tentar salvar seu mandato, Cunha cede a pressões e renuncia ao cargo de presidente da Câmara. Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo - 7.7.16Eduardo Cunha foi eleito presidente da Câmara em fevereiro de 2015: Sua tropa de choque já demonstava força. Foto: Câmara dos DeputadosEm março, logo no início do mandato como presidente da Câmara, Cunha preside sessão de votações com ar confiante. Foto:  Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil - 19.3.15Em outubro, já rompido com o governo, Cunha tenta manter o controle na Câmara. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil - 21.10.1512 de março de 2015: Cunha fala na sessão da CPI da Petrobras que não tem conta no exterior. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil -12.3.15Cunha fala com a imprensa sobre CPI da Petrobras; depoimento dado aos parlamentares desencadeou o inferno astral do parlamentar. Foto: Antônio Cruz/ Agência Brasil - 3.3.15Com olhar desconfiado, Cunha sai de casa após operação de busca e apreensão em sua residência oficial em Brasília. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 10.12.15Em novembro, Cunha é hostilizado e recebe uma chuva de dólares falsos com a sua face estampada. Foto: Lula Marques/Agência PT - 4.11.15O peemedebista reforça as críticas ao governo a medida que é pressionado pelas investigações da Lava Jato. Foto: José Cruz/Agência Brasil - 19.11.15Cunha pareceu respirar aliviado depois da leitura do pedido de impeachment protocolado na Casa contra a presidente Dilma . Foto: Marcelo Camargo/ Agência Brasil - 3.12.15Nas brigas, o tom de Cunha foi pesando a medida que o parlamentar sentiu-se acuado. Foto: Lula Marques/ Agência PTO presidente da Câmara bancou as pautas mais conservadoras na Casa. Foto: Lula Marques/ Agência PT - 10.11.15Apesar do cargo, Cunha não se importou em manter as aparências nem cultivou uma relação cordial com jornalistas e parlamentares. Foto: Lula Marques/Agência PTA situação de Cunha ficou ainda mais complicada depois de a PGR pedir que ele seja afastado da presidência da Câmara e do mandato parlamentra. Foto: Lula Marques/Agência PT - 5.11.15Com o apoio do baixo clero e de parte do PMDB, Cunha tenta se manter no poder. Foto: Lula Marques - 5.11.15O deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na sessão em que leu o pedido de impeachment da Dilma: segundo a presidente, o parlamentar fez um achaque ao Planalto. Foto: Agência BrasilO presidente da Câmara protelou a votação dos itens relacionados ao ajuste fiscal e dificultou a vida do governo. Foto: Lula Marques/Agência PTCunha defendeu insistentemente o rompimento do PMDB com o governo: conseguiu. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil - 15.12.15Sessões longas, que entraram pela madrugada, marcaram a gestão de Cunha como presidente da Câmara. Foto: Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência BrasilComo defesa, Cunha diz ser vítima de ataques do Planalto e da PGR. Foto: Wilson Dias/Agência BrasilSem sucesso, Cunha tentou costurar com os líderes dos partidos na Câmara uma forma de abordar o Supremo no caso do impeachment da presidente Dilma. Foto:  Marcelo Camargo/Agência Brasil - 21.12.15Em março, STF aceitou a abertura de processo e Cunha se tornou réu na Operação Lava Jato. Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo - 4.5.16Um dos golpes mais duros veio em maio, quando o STF aceitou o pedido da PGR e decidiu afastar Eduardo Cunha de seu mandato. Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo - 5.4.16Os brasileiros tiveram uma verdadeira aula de como funciona uma "truste" quando Cunha se defendeu no Conselho de Ética. Foto: Lucio Bernardo Junior/Câmara dos Deputados - 19.05.16Em junho, o peemedebista acolheu novo golpe do Supremo: por unanimidade, virou réu na 2ª ação da Lava Jato. Foto: Wilton Junior/Estadão Conteúdo - 5.4.16Desafeto de Cunha, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao STF a prisão do peemedebista no dia 7 de junho. Foto: Agência BrasilApós diversas manobras no Conselho de Ética, o pedido de cassação do mandato de Cunha finalmente foi aprovado no dia 14 de junho. Foto: André Dusek/Estadão Conteúdo - 21.06.16Com a renúncia de seu posto como presidente da Câmara, os julgamentos de ações contra Cunha no STF vão para a 2ª Turma da Corte: colegiado menor pode ser trunfo do peemedebista. Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo - 21.6.16


Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui