Roda de conversa, que acontece nesta terça-feira, discute os resultados do Proalfa e Proeb dentro nova concepção de avaliação adotada em Minas Gerais

A Secretaria de Estado de Educação promove nesta terça-feira (5/7) roda de conversa para apresentação dos resultados e da nova concepção do Sistema Mineiro de Avaliação e Equidade da Educação Pública – Simave.

O evento, que tem início às 9h, acontece no Auditório JK, na Cidade Administrativa, em Belo Horizonte, e conta com a participação da secretária de Educação, Macaé Evaristo, e da equipe do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação (Caed), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), responsável pela realização do Simave.

Anúncios
Continue lendo após o anúncio

Além deles, estarão presentes os diretores das 47 Superintendências Regionais de Ensino, servidores responsáveis pelo Simave nas Regionais, diretores de escolas estaduais de Belo Horizonte e assessores pedagógicos das instituições de ensino. Cerca de 500 pessoas são esperadas para o debate, cuja programação se estende durante todo o dia.

A roda de conversa representa a primeira divulgação pública dos resultados das avaliações realizadas pelo Simave em 2015. A ideia de divulgá-los por meio de um debate ampliado, com participação de gestores e diretores de escolas, não acontece por acaso.

O Simave passou por mudanças  estruturais, de parâmetros  e de concepção – inclusive no nome, que incorporou a palavra “Equidade” para traduzir estas mudanças -, e a divulgação dos seus resultados deve ser realizada neste contexto.

Entre as mudanças está a realização de avaliação também para os estudantes do 7º ano do ensino fundamental, e para os do 1º ano do ensino médio, além de continuar avaliando o 3º ano do ensino médio de forma censitária.

Para a Secretaria de Estado de Educação (SEE), são mudanças importantes que complementam informações para compreender os resultados das escolas e verificar o que pode ser melhorado nos próximos anos.

Ao introduzir estas avaliações em anos intermediários, a SEE quer visualizar a realidade do aluno que está na escola e atuar nas dificuldades que surgem no processo de aprendizagem. Como objetivo principal, está a criação de elementos que promovam a redução das desigualdades educacionais no Estado.

Escala de desempenho

Outra novidade no Simave é a inclusão de mais um padrão de desempenho na escala de proficiência, que passa agora a ter quatro: baixo, intermediário, recomendável e avançado, permitindo uma análise mais aprofundada dos resultados e melhor distribuição dos alunos por grupos de desempenho.

Com o novo Simave, a SEE pretende que as comunidades escolares discutam suas próprias potencialidades, deixando de lado as disputas competitivas de ranking. E ainda pretende estabelecer um novo paradigma de avaliação que estimule a cultura de participação na escola, de contribuição dos resultados de forma que cada escola compreenda sua realidade, entenda como está inserida em seu contexto social e que, a partir da sua realidade, busque alternativas de melhoria.

Entenda o Simave

O Sistema Mineiro de Avaliação e Equidade da Educação (Simave) foi idealizado com vista ao levantamento de informações acerca do desempenho dos estudantes do ensino fundamental e médio do sistema público de educação do Estado em avaliações externas: Programa de Avaliação da Alfabetização (Proalfa) e Programa de Avaliação da Rede Pública de Educação Básica (Proeb).

O Proalfa é uma avaliação anual e censitária para alunos do 3º ano do ensino fundamental para avaliar o desempenho dos estudantes em procedimentos de leitura. Já o Proeb avalia competências expressas pelos alunos do ensino fundamental e médio em Língua Portuguesa e Matemática. As provas abrangem toda a rede pública – escolas estaduais e municipais.

Até 2014, o Proeb avaliava estudantes do 5º e 9º anos do ensino fundamental e do 3º ano do ensino médio. Essas avaliações coincidem com a “Prova Brasil”, sistema nacional de avaliação que acontece em anos ímpares. Para a avaliação em 2105 foram incluídos estudantes  do 7º ano e do 1º do ensino médio.

Essa inclusão contribui para ações e intervenções mais pontuais que permitam ainda acompanhar o desempenho dos estudantes nos anos subsequentes de forma que consigam melhores resultados nas avaliações.

Tanto no Proalfa quanto no Proeb foram feitas mudanças também nos desenhos dos testes, procedimentos de aplicação e divulgação dos resultados, que serão apresentadas  durante o evento.

As comunidades escolares de Minas têm participado de forma efetiva nesses processos de avaliação, que variam entre 80% e 90% dos alunos da rede pública. Mesmo não sendo um teste obrigatório, a mobilização e a participação efetiva das 47 Superintendências Regionais de Ensino, diretores, gestores, pais e alunos e prefeitura dos 853 municípios de Minas têm sido fundamentais no sucesso de sua realização.

Em 2015, foram quase um milhão de alunos de todas as redes públicas (Estado e municípios): cerca de 253 mil alunos fizeram as  provas do Proalfa e 749 mil estudantes os testes do Proeb.

O trabalho, em parceria com as superintendências, inclui a capacitação de pessoal que garanta que os testes sejam sigilosos e cheguem a cada aluno. No ano passado, os testes aconteceram entre os dias 26 e 30 de outubro.

Anúncios
Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui