Semana movimentada no presídio de Itabira, com várias atividades

Os presos tiveram a oportunidade de realizarem provas do ENCCEJA. Foto/Divulgação

Durante esta semana várias atividades importantes foram desenvolvidas no Presídio de Itabira, como a realização de provas do Exame Nacional para Certificação de Competência de Jovens e Adultos (ENCCEJA) e uma confraternização entre os detentos e familiares, em comemoração ao Dia Das Crianças, que é celebrado no sábado (12).

O desenvolvimento dessas atividades foi destacado pelo diretor da unidade, Márcio Pedro Alves, como de grande importância à edificação do processo de ressocialização dos privados de liberdade.

Diretor do Presídio, Márcio Pedro Alves. Foto/Arquivo

Na terça-feira (8) e na quarta (9), a exemplo do que ocorreu em todo o país, ocorreu no presídio a realização do ENCCEJA. Segundo o diretor, os participantes fizeram provas que lhes servirão para a conclusão do ensino fundamental ou médio. Todos os presos com esta necessidade, puderam se inscrever. “Ao final do período cerca de cinquenta presos estavam inscritos, porém, devido a algumas desistências e a alguns alvarás, o número de presos que efetivamente realizaram as provas foi de 37, mas, considerado os turnos matutino e vespertino, totalizamos 74 provas concluídas que representará, após a aprovação, melhores oportunidades quando receberem a liberdade”, disse Márcio Pedro.

Já nesta quinta-feira (10), foi promovida na unidade prisional, a integração dos filhos com os Indivíduos Privados de Liberdade (IPLs). De acordo com o diretor, ação faz parte das comemorações do Dia das Crianças. “Nós organizarmos um evento que contou com a distribuição de pipoca, algodão doce, cachorro quente, refrigerante e apresentação teatral. A finalidade do evento foi aproximar o IPLs das sensações de prazer junta à família, despertando naqueles que se desviaram do caminho, a responsabilidade de se apresentar como exemplo aos filhos”, declarou o diretor Márcio.

Na ocasião o diretor agradeceu aos colaboradores das parcerias religiosas como, Assembleia de Deus, Universal, Grupo Espírita e Pastoral Carcerária, além dos funcionários que estiveram envolvidos, sem os quais, segundo ele, nada seria possível.

“As atividades realizadas foram muito importantes para o trabalho ao que nos propomos. Aproveitar a oportunidade de ter sob nossa custódia uma pessoa que se descuidou da observação de valores essenciais à convivência social, para reafirmar estes valores redirecionando-a ao bem estar em comunhão”, concluiu Márcio Pedro.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui