Policlínica é o maior posto de saúde de João Monlevade e fica na região central da cidade

A administração municipal de João Monlevade instaurou sindicância para apurar irregularidades no acondicionamento das vacinas nos postos de saúde da cidade. Segundo relatório, as doses de imunização têm sido guardadas em refrigeradores com temperaturas oscilantes, o que pode colocar em xeque a eficácia das vacinas. O processo administrativo investiga a responsabilidade dos profissionais no caso, que é considerado grave.

Ainda conforme o documento, datado em 27 de fevereiro, as alterações nas temperaturas dos refrigeradores que armazenam as vacinas ocorrem há bastante tempo e só agora teria chegado ao conhecimento da secretária de Saúde, Andréa Peixoto.

Uma equipe da Gerência Regional de Saúde (GRS) e funcionários da área de João Monlevade visitaram as unidades de saúde e constataram que na Policlínica o problema ocorre desde 2012, no posto do Industrial desde 2016 e no Santo Hipólito em 2017 e 2018. Já na unidade do Novo Cruzeiro a oscilação da temperatura do refrigerador começou em outubro de 2017.

Diante do grave problema, foi determinado de imediato o recolhimento de todas as vacinas que estavam nos refrigeradores com as temperaturas alteradas. As doses foram identificadas e estão mantidas sob suspeitas. As geladeiras e a rede elétrica dos postos passaram por avaliação e os funcionários envolvidos foram orientados sobre a gravidade do ocorrido.

Além disso, a Prefeitura abriu processo licitatório para compra de cinco novos refrigeradores para os postos de saúde. Os equipamentos terão sistema nobreak no caso da queda de energia elétrica. O município também deve adquirir um gerador para a sala da Vigilância em Saúde (Visa) e, como medida de cautela, é analisado o relatório de todos os vacinados no período de alteração das temperaturas nas salas de vacinação.

Eficácia das vacinas preocupa

O processo de sindicância e o relatório da Secretaria de Saúde tornou público pelas mãos do vereador do PSDB, Sinval Dias. Ele que é líder da prefeita Simone Moreira na Câmara, usou o documento para defender a chefe do Executivo de ataques da oposição. O fato aconteceu na tarde de ontem (7), em reunião ordinária do Legislativo.

Sinval tomou a iniciativa depois que o parlamentar pedetista Thiago Araújo (Titó) comentou que teria ido à sede da GRS, em Itabira, buscar esclarecimentos sobre a falta de vacinas em João Monlevade. O vereador alegou que elaborou documento com uma série de questionamentos sobre os fatos, inclusive com preocupação sobre a eficácia das vacinas disponibilizadas, devido à recorrente queda de energia elétrica em João Monlevade.

Titó mal acabou de falar e Sinval tomou a palavra criticando o jovem vereador pela viagem. Segundo Dias, não era necessário o colega ter recorrido à GRS, já que administração está tomando providências sobre o assunto e que a questão seria muito mais complexa.

Vacinação alternada

Até que seja sanado os problemas com as geladeiras nas unidades de saúde, as vacinas serão oferecidas de forma alternada nos postos. Nas segundas e quarta-feira, a Policlínica será o ponto de vacinação. Na terça-feira, a unidade do Novo Cruzeiro oferece as vacinas e de segunda a sexta-feira, todas as doses serão disponibilizadas no Centro Social Urbano. Nos demais postos a vacinação está suspensa.

Paralelo a isso, continua o trabalho de vacinação contra a febre amarela de casa em casa. Nessa primeira etapa recebem a imunização os moradores dos bairros Boa Vista, Cachoeirinha, Vale do Sol, Tanquinho I, Tanquinho II, Estância Bourian, Nova Monlevade, Pedreira, Centro Industrial, Jacuí e Serra do Egito e detentos no Presídio da cidade.

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui