Terceiro dia de paralisação dos caminhoneiros tem corrida aos postos de combustíveis

Em João Monlevade, motoristas formam filas em busca de combustível

O terceiro dia de paralisação dos caminhoneiros provocou uma corrida aos postos de combustíveis em João Monlevade nesta quarta-feira (23). Motoristas fazem filas para garantir o combustível já que há risco de desabastecimento. Próximo à cidade, os caminhoneiros fazem paralisação na altura do Km 361 da BR-381, nos dois sentidos. O protesto que começou na última segunda-feira (21) é por tempo indeterminado.

Por falta de combustível, ônibus coletivos também podem parar de rodar em João Monlevade. É que a empresa responsável pelo transporte, Enscon Viação, alega que o estoque de diesel garante o abastecimento da frota até o próximo sábado (26). O mesmo pode ocorrer com a produção da ArcelorMittal, que sem combustível pode interromper atividades na Mina do Andrade.

Além de João Monlevade, há mais outros 40 trechos nas rodovias federais com manifestação dos caminhoneiros. Em todos os pontos, apenas veículos de passeio foram autorizados pelos manifestantes a seguir viagem. Segundo a categoria, os protestos são pela redução do valor do óleo diesel, após dias seguidos de aumento.

A Petrobras anunciou nesta quarta-feira (23) novo reajuste no preço dos combustíveis nas refinarias. O preço do litro da gasolina baixou 0,62%, passando de R$ 2,0433 para R$ 2,0306. Já o do diesel caiu 1,14%, de R$ 2,3351 para 2,3083.

Na véspera, a estatal já tinha reduzido os preços, depois de sucessivas altas que geraram protestos de caminhoneiros e discussões entre a petroleira e o governo. Os cortes foram motivados pela queda da cotação do dólar, segundo o presidente da Petrobras, Pedro Parente.

Reunião

O governo convocou para hoje (23), às 14h, uma reunião para discutir a paralisação dos caminhoneiros. Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil),Valter Casimiro Silveira (Transportes) e Carlos Marun (Secretaria de Governo) vão conversar com os presidentes da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), Mario Rodrigues, da Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), José da Fonseca Lopes. A reunião será na Casa Civil, no Palácio do Planalto, em Brasília.

Na noite de ontem (22), o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, confirmou acordo feito entre governo e Congresso Nacional para redução do preço do diesel. Guardia disse que o governo eliminará a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o diesel e, em contrapartida, os parlamentares devem aprovar o projeto de reoneração da folha de pagamento.

A medida precisa ser aprovada pelo Congresso. O assunto é tema de uma audiência pública hoje na Comissão de Minas e Energia na Câmara. No próximo dia 30, haverá uma nova rodada de discussões durante comissão geral no Congresso.

Publicidade

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui