Os vereadores receberam várias reclamações de pessoas sobre os quebra-molas

Os quebra-molas instalados nas ruas e avenidas, de João Monlevade, tem se tornado alvo de críticas e reclamações de populares, quanto aos critérios adotados para sua implantação e a falta de sinalização adequada. Na maioria dos casos eles estão sendo construídos sem nenhuma avaliação técnica.

O assunto foi um dos temas debatidos pelos vereadores, durante a reunião ordinária da Câmara desta quarta-feira (10).

Anúncios
Continue lendo após o anúncio

QUEBRA MOLAS 026 O vereador Belmar Diniz (PT), foi quem deu início ao debate e disse que foi procurado por diversas pessoas, que reclamaram da altura dos quebra-molas e a falta de sinalização em muitos dos espalhados pela cidade.  Ele citou um caso em que quatro pessoas ficaram feridas ao serem arremessadas para frente, depois que um motorista de um ônibus da empresa Enscon Viação foi obrigado a frear o veículo ao se deparar com um quebra-molas sem sinalização no bairro Santa Bárbara. “Os redutores estão todos fora dos padrões estabelecidos Contran, tem um norma que regulamenta isso. Esse tipo de sistema não é a solução para os problemas no trânsito e tem que ser feita uma reavaliação nos que já estão pela cidade. Moradores do Bairro Nova Cachoeirinha estão reclamando que surgiram trincas nas paredes das casas depois que foram construídos redutores no local”, disse.

Ainda segundo o parlamentar, esteve com o diretor do Departamento de Obras (DVO), Rivaldo de Brito, que garantiu que todos os redutores serão reavaliados. “Em alguns casos os quebra-molas resolvem, mas precisam ser feitos dentro das normas do Contran”, lembrou.

QUEBRA MOLAS 006

O vereador Guilherme Nasser (PSDB) também comentou o assunto. Ele disse que esteve com Rivaldo de Brito e conversou sobre os redutores irregulares. “O Rivaldo me disse a mesma coisa, e também, que vai conversar com a empresa que construiu os quebra-molas e cobrar dela para que eles sejam feitos dentro das normas. Naqueles que foram instalados perto do posto Castelinho, já ocorreram acidentes por causa da falta de sinalização. Uma cidade com muitos quebra-molas mostra como o cidadão é mal educado no trânsito e acredito que radares seria uma solução, uma vez que mexe no bolso do motorista que excede na velocidade em uma via pública”, pontuou.

Sinval Jacinto Dias (PSDB), que já foi secretário de obras no atual governo, disse que no DVO o que mais se pede são quebra-molas. “O índice de acidente é muito alto e o motorista não está sendo educado no trânsito. Mas isso está mudando, um exemplo são as faixas de pedestre que estão sendo mais respeitadas pelos motoristas”, disse.

Thiago Araújo (PDT), o “Titó”, também disse ter recebido reclamações de populares e pediu que, na construção de redutores, as medidas regulamentadas por Lei, sejam respeitadas e as sinalizações feitas corretamente.

 

Anúncios
Publicidade

2 COMENTÁRIOS

  1. Estou perplexo com estas pessoas que implantam projetos insustentáveis em Joaõ Monlevade. No bairro Novo Horizonte desviaram todo o trãnsito da rua são jerônimo para a rua Alberto Scharle, ou seja colocaram a rua são Jerõnimo como contra mão para subida e congestionaram o rua de escola estadual Antonio Papini colocando em risco as crianças que estudam nesta respectiva escola.Lá o trãnsito está caótico, õnibus escolar parado na porta da escola, vans escolares, carros particulares, motos, etc…sem contar a inclinação do morro que exige dos motoristas maior velocidade para subida e consequentemento maior risco para os pedestres. Agora vem a onda do estacionamento rotativo e os quebras molas por todo o lado. Está difícil nossa mobilidade no centro da cidade …

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui