Violência de Gênero será tema de palestras em João Monlevade

Um assunto que está cada vez mais em pauta na sociedade, a “Violência de Gênero” será tema de palestras em agosto em João Monlevade. A iniciativa partiu de uma parceria entre a Rede Doctum de Ensino, Sindicato dos Metalúrgicos (Sindmon-Metal) e ArcelorMittal, com o objetivo de ampliar o debate e conscientizar as pessoas.

As palestras serão ministradas pela doutora em Direito Ariete Pontes de Oliveira, professora da Doctum e idealizadora do projeto “Ciranda, Cirandinha, Vamos Todxs Cirandar”, dedicado ao enfrentamento da violência contra a mulher, tema em que ela é especialista.

Em duas datas, os eventos serão abertos ao público em geral: no dia 15 de agosto, às 19h, no auditório do SindMon-Metal (Rua Duque de Caxias, 165, bairro José Elói), e no dia 21 de agosto, às 18h15, no auditório da Doctum (Rua Dezesseis, 24, bairro Vila Tanque). A entrada é gratuita e não é necessária inscrição prévia.

Além dessas palestras abertas a toda a comunidade, outras serão realizadas na ArcelorMittal, para quase mil trabalhadores, como parte do programa “Diversidade e Inclusão”, lançado pela empresa em julho.

Para Vander Ferraz Neves, gerente de Recursos Humanos da ArcelorMittal, é importante ampliar o debate sobre o tema – “Precisamos envolver cada vez mais pessoas no assunto, pois é algo que diz respeito a todos nós, como cidadãos. A construção de uma sociedade mais justa passa pelo respeito à diversidade em todas as esferas. E, como instituições, temos que potencializar este debate”, disse.

O presidente do Sindmon-Metal, Otacílio das Neves Coelho, disse considerar fundamental que a sociedade como um todo se engaje na superação das desigualdades sociais e que a violência de gênero também é um produto da desigualdade. “Sindicatos e centrais sindicais têm papel que vai muito além das demandas restritas de suas categorias, e parcerias ajudam a ampliar ações em benefício da sociedade”, opinou o sindicalista.

Segundo a diretora da Doctum, Yolanda Carla Lima Coelho, o projeto “Ciranda Cirandinha” foi motivado pelo compromisso da instituição de ensino em transformar vidas pela educação, sendo capitaneado pelo curso de Direito, sob a coordenação da professora Ariete Pontes.

“O projeto tem como propósito a promoção da redução da violência contra a mulher em suas diversas formas, a partir de discussões e debates, a fim de mobilizar a sociedade civil, as organizações, os poderes políticos para a proposição de políticas públicas, projetos e ações efetivas que venham impactar positivamente neste cenário grave. O objetivo é o de reacender as discussões acerca da questão, denunciar a omissão, gerar uma rede solidária de apoio às vítimas, sensibilizar a sociedade para uma reflexão crítica, qualificar pessoas para o acolhimento, educar nossas crianças e jovens acerca de questão histórica tão grave e que, ainda em tempos atuais, se perpetua”, afirma.

 

Publicidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui